O crescimento da igreja através dos séculos: análise da história e dos aspectos positivos e negativos
PDF

Palavras-chave

crescimento da Igreja Cristã
crescimento qualitativo
crescimento quantitativo.

Como Citar

Xavier, Érico T. (2008). O crescimento da igreja através dos séculos: análise da história e dos aspectos positivos e negativos. Kerygma, 4(1), 31–44. Recuperado de https://revistas.unasp.edu.br/kerygma/article/view/251

Resumo

Este artigo analisa brevemente o crescimento da igreja cristã através dos séculos, incluindo os aspectos positivos e negativos. A primeira parte desta matéria apresenta o crescimento da igreja nos primeiros três séculos, no período da igreja imperial e no período moderno e contemporâneo. Na segunda parte, descreve-se o movimento de crescimento da igreja com seus diferentes aspectos. Na terceira parte, analisa-se os aspectos negativos da ênfase numérica na igreja adventista. Conclui-se a matéria, enfatizando a necessidade de um crescimento quantitativo e qualitativo para um pleno cumprimento da “Grande Comissão”.

PDF

Referências

Barret, David (1982). World Christian Encyclopedia (Vol. 4). New York: Oxford University Press.

Barro, Jorge Henrique (2002). De cidade em cidade – elementos para uma teologia bíblica de missão urbana em Lucas-Atos. Londrina, PR, Brasil: Descoberta Editora.

Bíblia Sagrada. (2 ed.) (1993). Revista e Atualizada no Brasil. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil.

Curtis, A.; Henneth. Lang; J. Stephen. Petersen, Randy (2003) Os 100 acontecimentos mais importantes da história do cristianismo. São Paulo, SP: Editora Vida.

Deiros, Pablo A. (2005). Historia del cristianismo: los primeros 500 años. Buenos Aires, Argentina: Ediciones del Centro.

Ekström, Bertil (2001). História da Missão. A história do movimento missionário cristão. Londrina, PR: Descoberta.

González, Justo L. (1997). Uma história ilustrada do cristianismo: a era dos gigantes. São Paulo, SP: Edições Vida Nova.

González, Justo L. (1998). Uma história ilustrada do cristianismo: a era dos mártires. São Paulo, SP: Edições Vida Nova.

McGavran, Donald A. (2001). Compreendendo o crescimento da igreja. São Paulo, SP: Editora Sepal.

Monteiro, Rafael Luiz (2004). Discipulado: caminho de renovação e crescimento para a igreja. Engenheiro Coelho, SP, Brasil: Unaspress.

Nichols, Robert Hastings. (1992). História da igreja cristã. São Paulo, SP: Casa editora presbiteriana.

Padilla, C.René (2005). Missão integral. Londrina, PR: Descoberta Editora.

Tertuliano. Sanguis martyrum, semen christianorum! ¡La sangre de los mártires es semilla de nuevos cristianos! Recuperado em 19/12/2007 da página http://www.vatican.va/holy_father/john_paul_ii/homilies/2001/documents/hf_jpii_hom_20010311_beatification_sp.html.

Miranda, Juan Carlos (1991). Manual de crescimento da igreja. São Paulo, SP: Edições Vida Nova.

White, Ellen G. (1969). Obreiros Evangélicos. Santo André, SP: Casa Publicadora.

White, Ellen G. (1972). Caminho para Cristo. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira.

White, Ellen G. (1978). Evangelismo. Santo André: Casa Publicadora Brasileira.

White, Ellen G. (1998). Parábolas de Jesus. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira.

White, Ellen G. (2004). O desejado de todas as nações. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira.

White, Ellen G. (2004a). Testemunhos para a igreja. V. 5, Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira.

Uma vez aceitos para a publicação, os direitos autorais dos artigos são automaticamente transferidos à Kerygma. Todo material utilizado no texto que possua direitos autorais de terceiros devem estar devidamente referenciados. As pessoas autoras também devem deter os direitos de reprodução das imagens e tabelas em seu material, caso seja necessário. Autores(as) que publicam na Kerygma devem concordar com os seguintes termos:

Termo 1: Os(as) autores(as) concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
Termo 2: Os(as) autores(as) têm a autorização para assumir contratos adicionais para a distribuição não exclusiva de seu trabalho, conforme publicado na revista (por exemplo: repositório institucional, capítulo de livro etc.). Contudo, ele deve reconhecer a autoria e a publicação inicial do trabalho à Kerygma.
Termo 3
: Os(as) autores(as) concordam com a reprodução livre de seu material pela Kerygma, que poderá adaptar, modificar, condensar, resumir, reduzir, compilar, ampliar, alterar, mixar com outros conteúdos, incluir imagens, gráficos, objetos digitais, infográficos e hyperlinks, ilustrar, diagramar, fracionar, atualizar, traduzir e realizar quaisquer outras transformações, sendo necessária a participação ou autorização expressa dos autores. Ela também pode distribuir mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permite acesso ao usuário em tempo e lugar determinados, seja por vias gratuitas ou por sistemas que importem pagamento. A Kerygma poderá incluir o trabalho em banco de dados, físico ou virtual, arquivar em formato impresso, armazenar em computador, em sistema de nuvem, microfilmar e demais formas de arquivamento atuais ou que ainda possam ser desenvolvidas, com ou sem fins lucrativos.

A revista Kerygma é detentora dos direitos de todos os trabalhos publicados por ela. A reprodução integral desses textos em outras publicações, para qualquer outra finalidade, por quaisquer meios, requer autorização por escrito do editor. O mesmo serve para reproduções parciais, como resumo, abstract, porções com mais de 500 palavras do texto, tabelas, figuras, ilustrações etc.

Downloads

Não há dados estatísticos.