Teologia da prosperidade: história, análise e implicações
PDF

Palavras-chave

Theology
Prosperity
Television
Sickness
Poverty. Teologia
prosperidade
televisão
doença
pobreza.

Como Citar

Xavier, Érico T. (2009). Teologia da prosperidade: história, análise e implicações. Kerygma, 5(2), 120–147. Recuperado de https://revistas.unasp.edu.br/kerygma/article/view/202

Resumo

O presente artigo está dividido em três seções e tratará das raízes da Teologia da Prosperidade, as influências que causaram seu surgimento, seu nascedouro e sua expansão para o Brasil e a maneira como os teólogos da prosperidade utilizaram a mídia, principalmente as redes de TV para expandirem suas crenças, é o tema da primeira parte deste trabalho. Na segunda parte será realizada uma análise, à luz da Bíblia e da História, de duas questões mais combatidas pelos teólogos da prosperidade: a doença e a pobreza. E na terceira parte, serão expostas algumas implicações que, como conseqüência do afã demonstrado pelos teólogos da prosperidade em querer arrebanhar cada vez mais doadores, acabam entrando em contradição clara e explícita com o texto sagrado.

PDF

Referências

A Perseguição e o Triunfo da Igreja Primitiva – de Cristo a Constantino. (Parte I). Prod: Gateway Films em Associação com Christian History Institute e Eo Television. São Paulo: REBORN – Distribuidora de Vídeo Ltda. (1990).

Almeida, J. Thomaz (1989). As marcas de Cristo na história dos homens. São Paulo: Hierograf. Anglin, W & Knight A. (1947). História do

Cristianismo. Rio de Janeiro: Casa Editora Evangélica.

Bakker, Jimmy (2001). A doutrina da prosperidade e o apocalipse. São Paulo: Bom Pastor.

Bíblia de Estudos Alfalit (1996). Rio de Janeiro: Vida.

Bucci, Eugênio (2001). A fabricação e o consumo de Deus. Revista Nova Escola. São Paulo.

Conciso Dicionário Bíblico (1996). Rio de Janeiro: JUERP, 1985.

Dicionário Eletrônico Priberan. Recuperado em 26/11/2007 da página

http://www.priberan.pt/DLPO.

Gomes, Wilson (1994). Nem anjos nem demônios. In: Nem anjos nem demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis: Vozes.

Gondim, Ricardo (1993). O Evangelho da Nova Era. São Paulo: Abba.

Gonzalez, Justo (1986). Uma história ilustrada do Cristianismo (Vol.1) A Era dos mártires. São Paulo: Vida Nova.

Hanegraaf, Hank (1996). Cristianismo em crise. Rio de Janeiro: CPAD.

Jungblut, Airton Luiz (2006). O evangelho New Age: sobre a gnose evangélica no Brasil na visão de seus detratores. Recuperado em 27/11/2007 da página http://revistaseletronicas.pucrs.br/civitas/ojs/index.php/civitas/article.

Macedo, Edir Bezerra (1990). Vida com abundância. Rio de Janeiro: Universal Produções.

Mariano, Ricardo (1999). Neopentecostais. Sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. São Paulo: Edições Loyola.

Romeiro, Paulo (1993). Super crentes. São Paulo: Mundo Cristão.

Souza, Alexandre Carneiro de (2006). Uma versão pentecostal burguesa no Brasil – Idéias preliminares. Revista Espaço Acadêmico, nº. 58, março de 2006. Recuperado em 12/11/2007 da página http://www.espacoacademico.com.br/058/58esp_souza.htm.

Souza, Etiane Caloy B. de; Magalhães, Marionilde Dias B. de. (2000). Os pentecostais entre a fé e a política. (Vol. 22). Revista Brasileira de História, n.43, São Paulo, 2002.

Timm, Alberto R. (2000). Teologia da posperidade: breve análise crítica. (Vol.1).Revista Parousia, Engenheiro Coelho,SP:SALT/UNASP.

Torahlaam, Zahav Yalom Putzah (2005). Fraudes do Protestantismo. Recuperado em 26/11/2007 da página http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2005/10/333094.shtml.

Walker, W. (1985). História da Igreja (Vol. 1). Rio de Janeiro; Juerp.

White, Ellen G. (1976). Atos dos Apóstolos. Santo André, SP: Casa Publicadora Brasileira.

White, Ellen G. (1998). O Desejado de todas as nações. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira.

White, Ellen G. (1998a). Medicina e salvação. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.