O que é real nas primeiras evidências acerca do homem primitivo?
PDF

Palavras-chave

Homem primitivo
Elo perdido
Arqueologia
Evolucionismo
Símio

Como Citar

Aguilar, R. (2011). O que é real nas primeiras evidências acerca do homem primitivo?. Kerygma, 7(2), 55–67. Recuperado de https://revistas.unasp.edu.br/kerygma/article/view/144

Resumo

O presente artigo busca traçar um panorama histórico-crítico acerca de diversas descobertas científicas que afirmam ter encontrado achados arqueológicos que comprovem a existência passada do homem primitivo. Tal busca ficou comumente conhecida através da nomenclatura “a busca do elo perdido”, sendo ela a maior argumentação possível a ser provida pela arqueologia, visando a corroboração da teoria evolucionista, como defendida originalmente por Charles Darwin. O artigo se propõe verificar se as primeiras evidências apresentadas podem ser consideradas conclusivas ou se haveria a necessidade de se continuar as buscas por tais evidências.

PDF

Referências

CLARK, H. W. The battle over Genesis. Washington: Review and Herald, 1977.

DAVID, P. A evolução do homem. Lisboa: Editora Verbo, 1973.

DAVIDHEISER, B. Evolution and christian faith. Phillipsburg: The Presbyterian and Reformed Publishing Company, 1982.

DUBOIS, E. On the Gibbonlike appearance of Pithecanthropus erectus. Koninklijke Akademie Amsterdam, v. 38, 1935.

HOOTON, E. A. Up from the Ape. Michigan: The Macmillan Company, 1946.

KLOTZ, J. W. Age of Pekin man. Science, v. 131, 1960.

______. Genes, genesis and evolution. Saint Louis: Concordia Publishing

House, 1970.

MACALESTER, A. L. História geológica da vida. São Paulo: Editora Edgard

Blucher, 1988.

MARSH, F. L. Life, man and time. Escondido: Outdoor Pictures, 1967.

MCCOWN, T. D. The genus Palaeoanthropus and the problem of superspecific differentiation among the Hominidae. In: COLD Spring Harbor Bio. Lab. Origen and evolution of man, 1950.

RITLAND, R. A search for meaning in nature. Mountain View: Pacific Press, 1970.

STRAUS, W. L. The great Piltdown Hoax. Science, v. 119, 1954.

WHITE, A. D. Histoire de la lutte entre la science et la theoligie. Paris: Editorial Guillaumin & Cie, 1899.

WYSONG, R. L. The creation, evolution controversy. Michigan: Inquiry Press, 1981.

Uma vez aceitos para a publicação, os direitos autorais dos artigos são automaticamente transferidos à Kerygma. Todo material utilizado no texto que possua direitos autorais de terceiros devem estar devidamente referenciados. As pessoas autoras também devem deter os direitos de reprodução das imagens e tabelas em seu material, caso seja necessário. Autores(as) que publicam na Kerygma devem concordar com os seguintes termos:

Termo 1: Os(as) autores(as) concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
Termo 2: Os(as) autores(as) têm a autorização para assumir contratos adicionais para a distribuição não exclusiva de seu trabalho, conforme publicado na revista (por exemplo: repositório institucional, capítulo de livro etc.). Contudo, ele deve reconhecer a autoria e a publicação inicial do trabalho à Kerygma.
Termo 3
: Os(as) autores(as) concordam com a reprodução livre de seu material pela Kerygma, que poderá adaptar, modificar, condensar, resumir, reduzir, compilar, ampliar, alterar, mixar com outros conteúdos, incluir imagens, gráficos, objetos digitais, infográficos e hyperlinks, ilustrar, diagramar, fracionar, atualizar, traduzir e realizar quaisquer outras transformações, sendo necessária a participação ou autorização expressa dos autores. Ela também pode distribuir mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permite acesso ao usuário em tempo e lugar determinados, seja por vias gratuitas ou por sistemas que importem pagamento. A Kerygma poderá incluir o trabalho em banco de dados, físico ou virtual, arquivar em formato impresso, armazenar em computador, em sistema de nuvem, microfilmar e demais formas de arquivamento atuais ou que ainda possam ser desenvolvidas, com ou sem fins lucrativos.

A revista Kerygma é detentora dos direitos de todos os trabalhos publicados por ela. A reprodução integral desses textos em outras publicações, para qualquer outra finalidade, por quaisquer meios, requer autorização por escrito do editor. O mesmo serve para reproduções parciais, como resumo, abstract, porções com mais de 500 palavras do texto, tabelas, figuras, ilustrações etc.

Downloads

Não há dados estatísticos.