Morfossintaxe e o ensino de língua materna

uma reflexão sobre estruturas que materializam a comunicação em língua portuguesa

Autores

  • Alessandra Folha Mós Landim

DOI:

https://doi.org/10.19141/2763-5163.docentdiscunt.v2.n1.p71-82

Palavras-chave:

Morfossintaxe, Contrato comunicativo, Prática pedagógica

Resumo

O presente artigo ocupa-se de uma reflexão sobre o papel da morfossintaxe no ensino de língua materna e em questões que podem auxiliar o professor de língua portuguesa a colocar essas noções em prática em sala de aula sem desprezar a comunicação, ou seja, pondera que é possível trabalhar questões estruturais de língua da perspectiva de atos comunicativo-linguageiros. Passa pela noção de contrato de comunicação como pano de fundo para as reflexões que se interpõem e, dessa perspectiva, revisita os eixos sintagmático e paradigmático para então abordar a temática do estudo das estruturas linguísticas sob a visão do ato de comunicação. O artigo procura responder à problemática sobre o papel da morfossintaxe no ensino de língua materna, reflete sobre as estruturas linguísticas que materializam a comunicação e, por fim, ancorado em práticas pedagógicas, insere as noções morfossintáticas no plano do trabalho do professor de língua materna desembocando em uma reflexão sobre a importância dos estudos estruturais sempre aliados aos elementos comunicativos constitutivos dos processos linguísticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMORIM, M. C. F. A posição do sujeito em português. 2003. 145f. Dissertação (Mestrado em Linguística Geral) – Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coimbra, 2003.

ANTUNES, I. Muito além da gramática. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

CARONE, F. B. Morfossintaxe. São Paulo: Ática, 1995.

CHARAUDEAU, P. Visadas discursivas, gêneros situacionais e construção textual. In: MACHADO, I. L; MELO, R. (Orgs.). Gêneros: Reflexões em análise do discurso. Belo Horizonte: Núcleo de Análise do discurso, Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos, Faculdade de Letras da UFMG, 2004, p. 13-41.

LANDIM, A. F. M. Morfossintaxe e o ensino de língua materna: um olhar às estruturas linguísticas que materializam a comunicação. 2011. 38f. Trabalho de Conclusão de Curso (Lato sensu em Língua Portuguesa e Literatura Brasileira) – Centro Universitário Adventista de São Paulo, Engenheiro Coelho, SP, 2011.

LUFT, C. P. Língua e liberdade: por uma nova concepção da língua materna. São Paulo: Parábola Editorial, 1998.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas: Mercado das Letras, 1996.

SAUTCHUK, I. Prática de morfossintaxe: como e por que aprender análise (morfo)sintática. Barueri: Manole, 2004.

SILVA, R. V. M. O português são dois: novas fronteiras, velhos problemas. São Paulo: Parábola

Editorial, 2004

Downloads

Publicado

2021-08-24

Como Citar

LANDIM, A. F. M. Morfossintaxe e o ensino de língua materna: uma reflexão sobre estruturas que materializam a comunicação em língua portuguesa. Docent Discunt, Engenheiro coelho (SP), v. 2, n. 1, p. 71–82, 2021. DOI: 10.19141/2763-5163.docentdiscunt.v2.n1.p71-82. Disponível em: https://revistas.unasp.edu.br/rdd/article/view/1370. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos