O tormento dos ímpios e o sofrimento de cristo
PDF

Palavras-chave

Tormento
inferno
justiça
sofrimento
alma
ímpios
terceira mensagem angélica.

Como Citar

Rocha, J. (2007). O tormento dos ímpios e o sofrimento de cristo. Kerygma, 3(2), 41-54. Recuperado de https://revistas.unasp.edu.br/kerygma/article/view/265

Resumo

Protestantes e católicos imortalistas argumentam que o tormento dos ímpios, como profetizado em Apocalipse 14:11, não terá fim, o que equivale dizer que será da mesma duração da vida eterna dos justos. Esta compreensão, como exposta por eruditos destas correntes do cristianismo, tem lançado dúvidas sobre o caráter justo de Deus e abalado o ensino sobre o gozo eterno dos salvos. O estudo do assunto é pertinente para evidenciar que nem todos os cristãos têm as mesmas dificuldades com as quais os defensores da mortalidade da alma se deparam para harmonizar sua posição com a justiça e a bondade de Deus. Ao lado de outros cristãos, muitos deles eruditos pesquisadores, os adventistas do sétimo dia sustentam posição contrária à dos imortalistas, ao ensinar a aniquilação dos ímpios como ato de juízo coerente com a justiça e a bondade do caráter de Deus. Todos os seres humanos foram incluídos no sofrimento vicário de Cristo ao provar a segunda morte pela raça caída, e somente passarão pelo tormento da segunda morte por escolha própria ao rejeitarem a provisão de escape ofertada por Deus em Cristo, nosso substituto.

PDF

Declaro (amos) que a revista Kerygma está autorizada a publicar e alterar o texto inédito e original de minha (nossa) autoria, submetido para avaliação deste periódico, a fim de "maximizar a disseminação da informação". Concordo (amos) em compartilhar os direitos autorais a ele referentes com a Unaspress e com o Unasp, sendo que seu “conteúdo, ou parte dele, pode ser copiado, distribuído, editado, remixado e utilizado para criar outros trabalhos, sempre dentro dos limites da legislação de direito de autor e de direitos conexos”. 

Reconheço (Reconhecemos) ainda que Kerygma está licenciada sob uma LICENÇA CREATIVE COMMONS - ATTRIBUTION 4.0 INTERNATIONAL (CC BY 4.0) e que esta obra também estará licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, caso seja aceita e publicada.

Dito isto, PERMITO (PERMITIMOS) que as instituições citadas acima remixem, adaptem, criem e distribuam, a partir deste trabalho, mesmo que para fins comerciais, desde que atribuam o devido crédito ao (s) autor (es) pela criação original.

Downloads

Não há dados estatísticos.