Teologia: entre a “letra que mata” e o “espírito que vivifica”
PDF

Como Citar

Follis, R. (2013). Teologia: entre a “letra que mata” e o “espírito que vivifica”. Kerygma, 9(1), 7-11. Recuperado de https://revistas.unasp.edu.br/kerygma/article/view/92
PDF

Referências

BERGER, P.; ZIJDERVELD, A. Em favor da dúvida: como ter convicções sem se tornar um fanático. São Paulo: Elsevier, 2012.

CAMPOS, L. S. Evangélicos e Mídia no Brasil – Uma História de Acertos e

Desacertos”. Rever - Revista de Estudos da Religião, nº 3: 1-26, 2008. Disponível em: http://www.pucsp.br/rever/rv3_2008/t_campos.pdf. Acesso em 25/12/2012.

FOLLIS, R. Teologia e Marxismo: em busca de pontes de esperança. Kerygma, Engenheiro Coelho, SP, v. 8, n. 2, p. 7-9, 2o sem. de 2012.

LIBÂNIO, J. B. O sagrado na pós-modernidade. In: CALIMAN, C. (org.). A sedução do sagrado: o fenômeno religioso na virada do milênio. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

MEDONÇA, A. G. Protestantes, pentecostais e ecumênicos: o campo religioso e seus personagens. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de São Paulo, 2008.

MIGNOLO, W. D. Histórias locais, projetos globais: colonialidade, saberes

subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

POSTMAN, N. Tecnopólio: a rendição da cultura à tecnologia. São Paulo: Nobel, 1994.

SANCHIS, P. O campo religioso contemporâneo no Brasil. In: ORO, A.; STEIL, C. (Orgs.). Globalização e religião. Petrópolis: Vozes; Porto Alegre: UFRGS, 1997.

SANTOS, B. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2000.

_______. Um discurso sobre a ciência. Porto-Portugal: Edições Afrontamento, 1999.

WHITE, E. O desejado de todas as nações. Tatuí: CPB, 2007.

Declaro (amos) que a revista Kerygma está autorizada a publicar e alterar o texto inédito e original de minha (nossa) autoria, submetido para avaliação deste periódico, a fim de "maximizar a disseminação da informação". Concordo (amos) em compartilhar os direitos autorais a ele referentes com a Unaspress e com o Unasp, sendo que seu “conteúdo, ou parte dele, pode ser copiado, distribuído, editado, remixado e utilizado para criar outros trabalhos, sempre dentro dos limites da legislação de direito de autor e de direitos conexos”. 

Reconheço (Reconhecemos) ainda que Kerygma está licenciada sob uma LICENÇA CREATIVE COMMONS - ATTRIBUTION 4.0 INTERNATIONAL (CC BY 4.0) e que esta obra também estará licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, caso seja aceita e publicada.

Dito isto, PERMITO (PERMITIMOS) que as instituições citadas acima remixem, adaptem, criem e distribuam, a partir deste trabalho, mesmo que para fins comerciais, desde que atribuam o devido crédito ao (s) autor (es) pela criação original.

Downloads

Não há dados estatísticos.