Sorte do ímpio, azar do justo: uma breve nota sobre miqreh em Eclesiastes 2:14 e o conceito de morte em Eclesiastes

Jônatas de Mattos Leal

Resumo


Entre os textos que têm inquietado a muitos estudantes do livro de Eclesiastes
está Eclesiastes 2:14 onde se lê: “O sábio tem os olhos abertos, o insensato caminha nas trevas. Porém compreendi que ambos terão a mesma sorte” (BJ1). O propósito do presente trabalho é esclarecer o significado da palavra hebraica miqreh (sorte) no verso acima citado e seu relacionamento com o conceito de morte no livro de Eclesiastes e no Antigo Testamento como um todo, em particular nos livros da tradição sapiencial já que esses abordam o assunto mais diretamente.

Palavras-chave: Eclesiastes; miqreh; sorte.

 

Among the texts that have troubled many students of the book of Ecclesiastes Is Ecclesiastes 2:14 where it reads: "The wise man has his eyes open, the fool walks in darkness. But I understand that both will have the same fate "(BJ1). The purpose of this paper is to clarify the meaning of the Hebrew word miqreh (luck) in the above-mentioned verse and its relationship to the concept of death in the book of Ecclesiastes and in the Old Testament as a whole, particularly in the books of the wisdom tradition, More directly.

Keywords: Ecclesiastes; miqreh; luck.


Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVITCH, H. Death. In: COHEN, A. A.; FLOHR, P.; MENDES (Eds.). 20th Century Jewish Religious Thought: original essays on critical concepts, movements, and beliefs. Philadelphia: The Jewish Publication Society, 2009.

ANDREASEN, N. E. Morte: origem, natureza e erradicação final. In: DEDEREN, R. (Ed.). Tratado de teologia Adventista do Sétimo Dia. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2011.

BACCHIOCCHI, S. Imortalidade ou ressurreição?: uma abordagem bíblica sobre a natureza humana e o destino eterno. Engenheiro Coelho: UNASPRESS, 2007.

BLANK, R. J. Escatologia da pessoa: vida, morte e ressurreição (Escatologia I). São Paulo: Paulus, 2004.

CLIFFORD, R. J. The wisdom literature. Nashville: Abingdon Press, 1998.

DAVIS, B. C. Ecclesiastes 12:1-8 — Death, as impetus for life. Bibliotheca Sacra, v. 148, p. 298-317, 1991.

EATON, M.; CARR, L. Eclesiastes e cantares: introdução e comentário. São Paulo: Editora Vida, 1989.

GILBERT, P. Fighting fire with fire: divine nihilism in Ecclesiastes. Direction, n.40, v.1, p. 65-79, 2011.

GRISANTE, M. A. hrq. In: VANGEMEREN, W. Dictionary of Old Testament Theology & Exegesis. Grand Rapids: Zondervan Publishing House, 1997.

HARRIS, R. L.; ARCHER JR, G.; WALTKE, B. K. Dicionário Internacional de Teologia da Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1998.

HOLLADAY, W. L. Lexico hebraico e aramaico do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 2010.

KIRST, N.; KILPP, N.; SCHWANTES, M.; RAYMANN, A.; ZIMMER, R. Dicionário Hebraico-Português e Aramaico Português. 25. ed. São Leopoldo: Sinodal, 2011

KIVITZ, E. R. O livro mais mal-humorado da Bíblia: a acidez da vida e a sabedoria do Eclesiastes. São Paulo: Mundo Cristão, 2009.

KRÜGER, T. Qohelet. Minneapolis: Fortress Press, 2004.

MURPHY, R. E. Word Biblical Commentary. Dallas: Words Books, Publisher, 1989. v. 23A.

OSBORNE, G. R. A espiral hermenêutica: uma nova abordagem à interpretação bíblica. São Paulo: Vida Nova, 2009.

RAD, G. V.; MARTIN, J. D. Wisdom in Israel. Valley Forge: SCM Press Ltda., 1972.

RINDGE, M. S. Mortality and Enjoyment: the interplay of death and possessions in Qohelet. The Catholic Biblical Quarterly, v. 73, n. 2, p. 265-280, 2011.

SMITH, D. L. The concept of death in Job and Ecclesiastes. Didaskalia, p. 2-14, out 1992.

WASSERMAN, A. Eclesiastes. São Paulo: Maayanot, 1998.

WHYBRAY, R. N. Ecclesiastes. Grand Rapids: WM. B. Eerdmans Publ., 1989.




DOI: http://dx.doi.org/10.19141/1809-2454/kerygma.v12.n1.p.157-168

Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia