A VARA COMO MÉTODO DE DISCIPLINA: CONSIDERAÇÕES ATUAIS À LUZ DE PROVÉRBIOS 13:24
PDF

Como Citar

Natalino, N. (2016). A VARA COMO MÉTODO DE DISCIPLINA: CONSIDERAÇÕES ATUAIS À LUZ DE PROVÉRBIOS 13:24. Kerygma, 10(2), 129-136. Recuperado de https://revistas.unasp.edu.br/kerygma/article/view/687

Resumo

O presente artigo trata da validade da vara como método de disciplina à luz de Provérbios 13:24. Faz uma análise dos principais termos do verso e seu paralelismo específico, procurando estabelecer a relação sintática dos termos, estabelecendo a conexão do verso com o conceito bíblico da disciplina divina. Indica-se que a disciplina tem uma função redentora e que o uso da vara é uma realidade aceitável somente quando o objetivo é disciplinar para salvar. Conclui-se que o texto de Provérbios 13:24, de acordo com seu contexto, é um louvor à disciplina redentora, não meramente um método de castigo.

 

Palavras-Chave: Vara; Paralelismo; Disciplina; Provérbios; Redenção.

 

Abstract: This article deals with the rod validity as a method of discipline in light of Proverbs 13:24. We analyze the key terms of the verse and its specific parallelism, seeking to establish syntactic relation of terms, establishing the back of the connection to the biblical concept of divine discipline. Our study indicates that the discipline has a redemptive function and the use of the rod is an acceptable reality only when the objective is to discipline to save. We conclude that the text of Proverbs 13:24, according to its context, is a hymn to the redemptive discipline, not merely punishment method.

 

Key words: Rod; Parallelism; Discipline; Proverbs; Redemption.

PDF

Referências

BOTTERWEEK, J. G. (Ed.). Theological Dictionary of the Old Testament. Grand Rapids: Eerdmans Publishing Company, 1998. v. 9.

MAIORIA já deu, levou e é contra proibir palmadas. Folha de São Paulo, 2010. Disponível em: <http://bit.ly/1TgaisX>. Acesso em: 07 de maio 2012.

NALON, T. Dilma sanciona Lei da Palmada e veta obrigação de servidor relatar violência. Folha de São Paulo, 2014. Disponível em: <http://bit.ly/1nQi34k>. Acesso dia 11 set. 2014.

HARRIS, R. L. Dicionário Internacional de Teologia do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 1998.

KIDNER, D. Provérbios: introdução e comentário. São Paulo: Mundo Cristão, 1986.

LASOR, W. S. Introdução ao Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 2002.

REID, G. W. (Ed.). Compreendendo as Escrituras: uma abordagem adventista. Engenheiro Coelho: Imprensa Universitária Adventista, 2007.

ROSÁRIO, M. Projeto de lei nº 2654 /2003, [s. d.]. Disponível em: http://bit.ly/1QwbnXy. Acesso em: 07 jun. 2012.

SCHOKEL, L. A. Dicionário Bíblico Hebraico-Português. São Paulo: Paulus. 1997.

SCHWANTES, M. Repetições e Paralelismos: observações em um debate hermenêutico, exemplificado em provérbios 10,1. Fragmentos de cultura Instituto de Filosofia e teologia Sociedade Goiânia de cultura universidade católica de Goiás, Goiânia, v. 15, n. 9, p. 1345-1474, 2005.

TAYLOR, J. W. The path to redemptive discipline. The Journal of Adventist Education, v. 73, n. 3, 2011. Disponível em: http://bit.ly/240Rl1p. Acesso em: 22 jun. 2012.

VIRKLER, H. Hermenêutica avançada: princípios e processos de interpretação bíblica. São Paulo: Vida Acadêmica, 2001.

WHITE, Ellen G. Orientação da Criança. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 1996.

Declaro (amos) que a revista Kerygma está autorizada a publicar e alterar o texto inédito e original de minha (nossa) autoria, submetido para avaliação deste periódico, a fim de "maximizar a disseminação da informação". Concordo (amos) em compartilhar os direitos autorais a ele referentes com a Unaspress e com o Unasp, sendo que seu “conteúdo, ou parte dele, pode ser copiado, distribuído, editado, remixado e utilizado para criar outros trabalhos, sempre dentro dos limites da legislação de direito de autor e de direitos conexos”. 

Reconheço (Reconhecemos) ainda que Kerygma está licenciada sob uma LICENÇA CREATIVE COMMONS - ATTRIBUTION 4.0 INTERNATIONAL (CC BY 4.0) e que esta obra também estará licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, caso seja aceita e publicada.

Dito isto, PERMITO (PERMITIMOS) que as instituições citadas acima remixem, adaptem, criem e distribuam, a partir deste trabalho, mesmo que para fins comerciais, desde que atribuam o devido crédito ao (s) autor (es) pela criação original.

Downloads

Não há dados estatísticos.