A ORAÇÃO DE DANIEL 9:1-19: UM ESTUDO EM CONTEXTO
PDF

Como Citar

Lima, D. (2016). A ORAÇÃO DE DANIEL 9:1-19: UM ESTUDO EM CONTEXTO. Kerygma, 10(2), 13-31. Recuperado de https://revistas.unasp.edu.br/kerygma/article/view/679

Resumo

O livro de Daniel é um dos que mais gera debates e estudos. Entre os capítulos do livro que se encontram em meio a debates e interpretações diversas está o capítulo 9. Porém, nas análises desse capítulo, os dezenove primeiros versos que contêm a oração de Daniel são negligenciados por muitos. Essa pesquisa se concentrará nesses versos. O texto da oração de Daniel é analisado em um contexto de aliança e conflito conforme indicados por seus contextos históricos, literários e teológicos. Esse contexto de aliança e conflito se revela como chave hermenêutica para a compreensão da oração de Daniel e, consequentemente, da resposta de Gabriel a ele.

 

Palavras-chave: Daniel; Oração; Aliança; Conflito.

 

Abstrat: The book of Daniel is one of the books that most generates debates and studies. Among the chapters of the book which finds itself in debate and various interpretations is chapter 9. Although this chapter’s analysis of its first nineteen verses, containing the prayer of Daniel is overlooked by many. This research will focus precisely on these verses. The prayer of Daniel is analyzed in a context of covenant and conflict as indicated by its historical, literary and theological contexts. This context of covenant and conflict is revealed as the hermeneutic key to the correct understanding of Daniel's prayer and hence Gabriel’s response to him.

 

Keywords: Daniel; Prayer; Covenant; Conflict.

PDF

Referências

ALOMÍA, M. Daniel: su vida, sus tiempos y su mensaje. Lima: Ediciones Theologika, 1991.

ARCHER JR., G. L Merece Confiança o Antigo Testamento? São Paulo: Vida Nova, 2008.

BALDWIN, J.G. Daniel: introdução e comentário. São Paulo: Vida Nova; Mundo Cristão, 1991. (Série Cultura Bíblica)

COXON, P. W. The Syntax of the Aramic of Daniel: a dialectial study. Hebrew Union College Annual, v. 48, p. 107-122, 1977.

DAVIDSON, B. The Analytical Hebrew and Chaldee Lexicon. Peadoby: Hendrickson, 2007.

DAVIDSON, R. M. The divine covenant lawsuit motif in canonical perspective. Journal of the Adventist Theological Society, v. 21, nº 1-2, p. 45-84, 2010.

________________. Interpretação Bíblica. In: DEDEREN, R. (Ed.). Tratado de Teologia Adventista do Sétimo Dia. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2011, pp. 67-104. (Série Logos, v. 9)

DIOP. G. Interpretação Interbíblica: lendo as escrituras intertextualmente. In: REID, G. W. Compreendendo as Escrituras: uma abordagem adventista. Engenheiro Coelho: Unaspress, 2007, pp. 135-151.

FEE, G. D.; STUART, D. Entendes O Que Lês?: um guia para entender a Bíblia com o auxílio da exegese e da hermenêutica. São Paulo: Vida Nova, 2009a.

________________. Manual de Exegese Bíblica: Antigo e Novo Testamentos. São Paulo: São Paulo: Vida Nova, 2009b.

GANE, R. Judgment as covenant review. Journal of the Adventist Theological Society, v. 8, nº 1-2, p. 181-194, 1997.

GRAYSON, A. K. ________________. Babylonian Historical-Liiterary Texts. Toronto; Buffalo: University of Toronto Press, 1975. (Toronto Semitic Texts and Studies, v. 3)

HASEL, G. F. Estabelecendo uma Data para Daniel. In: HALBROOK, F. B. (Ed.). Estudos Sobre Daniel: origem, unidade e relevância profética. Engenheiro Coelho: Unaspress, 2011, p. 67-131. (Série Santuário e Profecias Apocalípticas, v. 2)

HOLLADAY, W. L. Léxico Hebraico e Aramaico do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 2010.

KITCHEN, K. A. The Aramaic of Daniel. In: In: WISEMAN, D. J. (Ed.). Notes on Some Problems in the Book of Daniel. Londres: The Tyndale Press, 1965. p. 31-79.

KOCH, I. V.; BENTES, A. C.; CAVALCANTE, M. N. Intertextualidade: diálogos possíveis. São Paulo: Cortez, 2007.

KRISTEVA, J. O texto fechado. In DIDIER, L. M.; BARAHONA, L. Linguística e Literatura. São Paulo: Edições 70, 1968.

KUNZ, C. A. Método Histórico-Gramatical: um estudo descritivo. Via teológica. Curitiba, volume 2, nº 6, p. 23-53, 2008.

MUELLER, E. Diretrizes para a Interpretação das Escrituras. In: REID, G. W. Compreendendo as Escrituras: uma abordagem adventista. Engenheiro Coelho: Unaspress, 2007, p. 111-134.

SCHWARZ, R. W.; GREENLEAF, F. Portadores de Luz: história da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Engenheiro Coelho: Unaspress, 2009.

SHEA, W. H. Daniel 3: extra-biblical texts and the convocation on the plain of Dura. Andrews University Seminary Studies, v. 20, nº 1, p. 29-52, 1982.

________________. Bel(te)shazzar meets Belshazzar. Andrews University Seminary Studies, v. 26, nº 1, p. 67-81, 1988.

STEFANOVIC, Z. Correlations Between Old Aramaic Inscriptions and the Aramaic Section of Daniel. Berrien Springs, 1987. 314f. Tese (Doutorado em Teologia) – Departamento de Antigo Testamento Andrews University, Berrien Springs, 1987.

________________. The Aramaic of Daniel in the Light of Old Aramaic. Sheffield: JSOT Press, 1992. (Journal for the Study of the Old Testament Supplement Series, v. 129)

________________. The Aramaic of Daniel in the Light of Old Aramaic. Journal of Biblical Literature, v. 112, nº 4, p. 710-712, 1993.

________________. Daniel: wisdom to the wise: commentary on the book of Daniel. Nampa: Pacific Press, 2007.

TIMM. A. R. O Santuário e as Três Mensagens Angélicas: fatores integrais no desenvolvimento das doutrinas adventistas. Engenheiro Coelho: Unaspress, 2009.

WEINFELD, M. “בְּרִית, ḇᵉrît”. In: Theological Dictionary of the Old Testament. Grand Rapids: Eerdmans , 1975. v. 2

WISEMAN, D. J. Chronicles of Chaldean Kings: (626-556 B. C). Londres: The Trustees of the British Museum, 1956.

ZUCK, Roy B. A Interpretação Bíblica: meios de descobrir a verdade bíblica. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 2008.

Declaro (amos) que a revista Kerygma está autorizada a publicar e alterar o texto inédito e original de minha (nossa) autoria, submetido para avaliação deste periódico, a fim de "maximizar a disseminação da informação". Concordo (amos) em compartilhar os direitos autorais a ele referentes com a Unaspress e com o Unasp, sendo que seu “conteúdo, ou parte dele, pode ser copiado, distribuído, editado, remixado e utilizado para criar outros trabalhos, sempre dentro dos limites da legislação de direito de autor e de direitos conexos”. 

Reconheço (Reconhecemos) ainda que Kerygma está licenciada sob uma LICENÇA CREATIVE COMMONS - ATTRIBUTION 4.0 INTERNATIONAL (CC BY 4.0) e que esta obra também estará licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, caso seja aceita e publicada.

Dito isto, PERMITO (PERMITIMOS) que as instituições citadas acima remixem, adaptem, criem e distribuam, a partir deste trabalho, mesmo que para fins comerciais, desde que atribuam o devido crédito ao (s) autor (es) pela criação original.

Downloads

Não há dados estatísticos.