Um estudo tipológico de Êxodo 17:15 com ênfase no Pentateuco
PDF

Palavras-chave

Bandeira
Sinal
Tipologia
Pentateuco

Como Citar

Silva Filho, F. P. da, & Mello, C. E. P. de. (2011). Um estudo tipológico de Êxodo 17:15 com ênfase no Pentateuco. Kerygma, 7(2), 43–54. Recuperado de https://revistas.unasp.edu.br/kerygma/article/view/145

Resumo

O Senhor é a minha bandeira” (Êx 17:15) é uma frase sintética com possíveis desdobramentos tipológicos, mas que apresenta várias controvérsias de ordem textual na perícope em que se encontra (Êx 17:8–16). O presente trabalho tem como escopo de análise a expressão יהוָה נִסִּי ,ְ o seu enredo imediato nessa perícope e, de maneira mais específica, o termo נֵס , primariamente em Êxodo 17:15 e, subsequentemente, em todo o Pentateuco, com breves alusões a outros textos escriturísticos, tendo como objetivo final a detecção de uma tipologia cristológica no cerne da expressão em voga.

PDF

Referências

BARTON, J.; MUDDIMAN, J. The Oxford Bible Commentary. Oxford, New York: Oxford University Press, 2001.

BEEGLE, D. Moses, the servant of Yahweh. Grand Rapids: Eerdmans, 1972.

COHEN, M. Comprehensive aramaic lexicon: Targum Onqelos to the Pentateuch. Cincinnati: Bar Ilan University Press, 1992.

DURHAM, J. I. Exodus. Dallas: Word Books. Word Biblical Commentary,

v. 3, 1987.

FABRY, H. Nês In: BOTTERWECK, G. J. (Ed.). Theological dictionary of the Old Testament. Grand Rapids: Eerdmans. v. 9, 1999.

FELDMAN, L. H. Josephus’s view of the Amalekites. In: Bulletin for Biblical Research, v. 12, p. 161–186, 2002.

HAUPT, P. Babylonian Elements in the Levitic Ritual. Journal of biblical Literature, v. 19, p. 55–61, 1900.

KEIL, C. F.; DELITZSCH, F. Commentary on the Old Testament. Peabody:

Hendrickson, 2006.

LESLAU, W. Comparative dictionary of Ge’ez (Classical Ethiopic): Ge’ez-English, English-Ge’ez, with an index of the Semitic roots. Wiesbaden: O. Harrassowitz, 1987.

MAAHS, K. H. B. In: Bromiley, Geoffrey, W. (Ed.). The international standard Bible encyclopedia. Grand Rapids: Eerdmans, v. 1, 1979.

MARVIN, R. W. Nês. In: HARRIS, R. L.; ARCHER, Jr., G. L.; WALTKE, B. K. (Eds.). Theological wordbook of the Old Testament. Chicago: Moody Press. v. 2, 1980.

MEIER, S. Speaking of speaking: Marking Direct Discourse in the Hebrew Bible. New York: E. J. Brill, 1992.

NEUSNER, J. The mishnah: a new translation. New Haven: Yale University Press, 1988.

ROBINSON, B. P. Israel and Amalek: the Context of Exodus 17:8–16. In: Journal for the study of the Old Testament supplement series, v. 32, 1985.

SARNA, N. M. Exodus. Philadelphia: Jewish Publication Society. JPS Torah

commentary, 1991.

WALTON, B. Bibliorum sacrorum. London: Thomas Roycroft, 1656.

WHITE, E. The story of patriarchs and prophets: as illustrated in the lives of Holy Men of Old. Nampa: Pacific Press, 2005.

ZAKOVITCH, Y. Miracle. In: Freedman, D. N. (Ed.). Anchor Bible dictionary. New York: Doubleday, 1992. v. 4.

Uma vez aceitos para a publicação, os direitos autorais dos artigos são automaticamente transferidos à Kerygma. Todo material utilizado no texto que possua direitos autorais de terceiros devem estar devidamente referenciados. As pessoas autoras também devem deter os direitos de reprodução das imagens e tabelas em seu material, caso seja necessário. Autores(as) que publicam na Kerygma devem concordar com os seguintes termos:

Termo 1: Os(as) autores(as) concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
Termo 2: Os(as) autores(as) têm a autorização para assumir contratos adicionais para a distribuição não exclusiva de seu trabalho, conforme publicado na revista (por exemplo: repositório institucional, capítulo de livro etc.). Contudo, ele deve reconhecer a autoria e a publicação inicial do trabalho à Kerygma.
Termo 3
: Os(as) autores(as) concordam com a reprodução livre de seu material pela Kerygma, que poderá adaptar, modificar, condensar, resumir, reduzir, compilar, ampliar, alterar, mixar com outros conteúdos, incluir imagens, gráficos, objetos digitais, infográficos e hyperlinks, ilustrar, diagramar, fracionar, atualizar, traduzir e realizar quaisquer outras transformações, sendo necessária a participação ou autorização expressa dos autores. Ela também pode distribuir mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permite acesso ao usuário em tempo e lugar determinados, seja por vias gratuitas ou por sistemas que importem pagamento. A Kerygma poderá incluir o trabalho em banco de dados, físico ou virtual, arquivar em formato impresso, armazenar em computador, em sistema de nuvem, microfilmar e demais formas de arquivamento atuais ou que ainda possam ser desenvolvidas, com ou sem fins lucrativos.

A revista Kerygma é detentora dos direitos de todos os trabalhos publicados por ela. A reprodução integral desses textos em outras publicações, para qualquer outra finalidade, por quaisquer meios, requer autorização por escrito do editor. O mesmo serve para reproduções parciais, como resumo, abstract, porções com mais de 500 palavras do texto, tabelas, figuras, ilustrações etc.

Downloads

Não há dados estatísticos.