Convergências https://revistas.unasp.edu.br/convergencias <p><span style="font-weight: 400;">A revista </span><em><span style="font-weight: 400;">Convergências</span></em><span style="font-weight: 400;"> (ISSN 2764-8435) está vinculada ao curso de Comunicação Social e Jornalismo do Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP) </span><em><span style="font-weight: 400;">campus</span></em><span style="font-weight: 400;"> Engenheiro Coelho. Ela é uma publicação on-line de periodicidade semestral voltada para o campo acadêmico da Comunicação. O periódico tem por objetivo contribuir para a consolidação das pesquisas na área da Comunicação em diálogo com outras áreas das Ciências Humanas. O público alvo é formado por estudantes e professores do Brasil e do exterior. A </span><em><span style="font-weight: 400;">Convergências</span></em><span style="font-weight: 400;"> recebe artigos científicos em português, espanhol, inglês e francês em fluxo contínuo.</span></p> Instituto Adventista de Ensino pt-BR Convergências 2764-8435 <p><strong>Declaração de direito autoral</strong></p> <p>Declaro (amos) que a revista <strong>Convergências </strong>está autorizada a publicar e alterar o texto inédito e original de minha (nossa) autoria, submetido para avaliação neste periódico, a fim de "maximizar a disseminação da informação". Concordo (amos) em compartilhar os direitos autorais a ele referentes com a Unaspress e com o Unasp, sendo que seu “conteúdo, ou parte dele, pode ser copiado, distribuído, editado, remixado e utilizado para criar outros trabalhos, sempre dentro dos limites da legislação de direito de autor e de direitos conexos”. </p> <p>Reconheço (Reconhecemos) ainda que <strong>Convergências </strong>está licenciada sob uma <strong>LICENÇA CREATIVE COMMONS - ATTRIBUTION 4.0 INTERNATIONAL (CC BY 4.0)</strong> e que esta obra também estará licenciada com uma Licença <a href="http://creativecommons.org/licenses/by/4.0/">Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional</a>, caso seja aceita e publicada.</p> <p>Dito isto, <strong>Permito (permitimos)</strong> que as instituições citadas acima remixem, adaptem, criem e distribuam, a partir deste trabalho, mesmo que para fins comerciais, desde que atribuam o devido crédito ao(s) autor(es) pela criação original.</p> Editorial https://revistas.unasp.edu.br/convergencias/article/view/1529 Allan Macedo de Novaes Lindolfo Alexandre de Souza Copyright (c) 2022 Convergências https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-12-30 2021-12-30 1 1 e1529 e1529 10.19141/2764-8435.convergencias.v1.n1.pe1529 Entre Urbe e identidade religiosa https://revistas.unasp.edu.br/convergencias/article/view/1517 <p>Este artigo trata de um caso de comunicação entre os sistemas urbano e religioso na cidade de Palmelo (GO), conhecida como “cidade espírita”, a única no mundo que surgiu em torno de um centro espírita. Para responder até que ponto a noção de cidade pode ser vinculada a uma identidade cultural religiosa sem que abandonem seus sistemas simbólicos específicos, foram realizadas entrevistas em profundidade, análise documental e observação participante. A análise cultural encontrou permanências em torno da tradição de um movimento espírita palmelino e transições simbólicas em âmbitos societário, comunitário e cultural, demarcando formas de comunicação simbólica entre a urbe e a identidade espírita.</p> João Damasio da Silva Neto Copyright (c) 2022 Convergências https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-12-30 2021-12-30 1 1 e1517 e1517 10.19141/2764-8435.convergencias.v1.n1.pe1517 Vinho novo em odres velhos https://revistas.unasp.edu.br/convergencias/article/view/1518 <p>O artigo tem como objeto de estudo os discursos das novas lideranças da Igreja Pentecostal Deus é Amor, sobretudo os discursos de Davi Miranda Neto. O objetivo é verificar uma possível mudança no tom doutrinário da igreja no que tange aos usos e costumes e se essa mudança diz respeito apenas ao âmbito eclesial, ou se tem ressonância na vida cotidiana. Como referencial teórico mobilizamos os conceitos de linguagem e persuasão em Adilson Citelli, os estudos em comunicação e linguagem de Maria Aparecida Baccega, as características do discurso religioso em Eni Orlandi e o conceito de <em>habitus</em> em Pierre Bourdieu. Como recurso metodológico utilizamos a Análise de Discurso de matriz francesa nos estudos de Dominique Maingueneau. Os resultados mostram que os discursos religiosos, embora envoltos num certo ar de modernidade, mascaram traços conservadores típicos dos discursos religiosos eclesiais. Nesse sentido, o artigo propõe uma reflexão crítica dos discursos na busca por uma visão emancipadora, integradora e que esteja aberta ao diálogo com diferentes perspectivas religiosas presentes no mundo social.</p> Deivison Brito Nogueira Copyright (c) 2022 Convergências https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-12-30 2021-12-30 1 1 e1518 e1518 10.19141/2764-8435.convergencias.v1.n1.pe1518 Papa Francisco reza "sozinho" https://revistas.unasp.edu.br/convergencias/article/view/1519 <p>Pela primeira vez na história da Igreja Católica um pontífice celebrou sozinho na Praça de São Pedro. Um episódio marcado pelo isolamento social em função da pandemia do coronavírus e próximo do período de Páscoa, data importante para a comunidade católica. A partir de um pequeno recorte, pontuo algumas reflexões em torno de transformações nas lógicas do campo social religioso que, para além da ambiência da midiatização, ainda são potencializadas nesse novo cenário mundial. São questões importantes para o campo da Comunicação, pois dizem respeito a complexos movimentos interacionais, diretamente ligados ao modo de vivermos em sociedade. Para dar suporte às materialidades, ancoro o debate com lógicas que caracterizam a sociedade em midiatização, e como os processos de circulação como parte desse cenário dão a ver sobre as percepções dos fluxos adiante em circuitos interacionais.</p> Tatiane Milani Copyright (c) 2022 Convergências https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-12-30 2021-12-30 1 1 e1519 e1519 10.19141/2764-8435.convergencias.v1.n1.pe1519 Caminhos da pesquisa em Comunicação e Religiões https://revistas.unasp.edu.br/convergencias/article/view/1521 <p>As religiões alcançam atuação abrangente no espaço público. Elas se encontram nas mídias tradicionais e digitais, são objeto da indústria cultural como segmento de mercado e figuram na esfera da participação política. Tal atuação torna possível a emergência de novas formas de diálogo ou manifestações de violência e intolerância. Na área da Comunicação, não é mais possível estudar os processos comunicacionais sem considerar o lugar das religiões nas relações humanas e, em particular, explorar tópicos ainda emergentes, como a produção de conteúdo religioso em mídias não oficiais, os processos de comunicação popular, e a noção ampla da “religiões” para além do espaço cristão, já que o “religioso” permeia ambientes mais abrangentes do que o que comumente se atribui às religiões.</p> Magali do Nascimento Cunha Copyright (c) 2022 Convergências https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-12-30 2021-12-30 1 1 e1521 e1521 10.19141/2764-8435.convergencias.v1.n1.pe1521 As mediações culturais da rádio gospel Hora no cotidiano de jovens ouvintes de Campo Grande - MS https://revistas.unasp.edu.br/convergencias/article/view/1525 <p>A religiosidade é um importante fator de mediação social. Os números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE/Censo 2010) mostram que mais de 20% da população é evangélica e as projeções são de que este grupo deve superar o número de católicos, religião predominante até o momento, na próxima década. A religiosidade são se limita aos espaços internos das igrejas, engloba todo o comportamento social a partir da inserção dos fiéis em espaços de poder e nos meios de comunicação social. A partir desta perspectiva, esta pesquisa discutiu o uso de uma rádio gospel no cotidiano de jovens com idades entre 15 e 29 anos, de Campo Grande - MS. A emissora escolhida foi a rádio Hora (FM 92,3), de caráter comercial, que não possui vínculo com nenhuma denominação religiosa, o que lhe confere autonomia administrativa e a possibilidade de atingir um público mais vasto. Analisou-se as formas de consumo desta emissora pelo público selecionado e identificou-se como as principais mediações culturais que permeiam o cotidiano desses receptores: a identidade religiosa formada e fortalecida a partir da cotidianidade familiar, as narrativas de um movimento gospel cada vez mais próximo à cultura secular, as tecnicidades de uma emissora que se utiliza de todos os recursos audiovisuais para adentrar à rotina de seus ouvintes e as redes e fluxos de informação que fortalecem a cultura gospel. As análises foram realizadas utilizando o modelo teórico-metodológico de Jesús Martín-Barbero: o quarto mapa das mediações.</p> Fládima Rodigues Christofari Daniela Cristiane Ota Copyright (c) 2022 Convergências https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-12-30 2021-12-30 1 1 e1525 e1525 10.19141/2764-8435.convergencias.v1.n1.pe1525 Narrativas de vida de empreendedores e cultura da inspiração https://revistas.unasp.edu.br/convergencias/article/view/1526 <p>Este artigo trata dos processos comunicacionais que constituem e publicizam a cultura empreendedora. Analisamos as narrativas de vida de empreendedores de alto impacto presentes na série de <em>podcasts</em> do Endeavor Day1, um evento associado à chamada cultura da inspiração. Nesse contexto, as palestras inspiracionais dos empreendedores representam a dimensão comunicacional do capitalismo como religião, combinando aspectos teológicos, motivacionais e racionalizantes aplicados à vida como um todo. Em última instância, essa produção está associada ao projeto de sociedade baseado na imagem do empreendedor como modelo, como tipo ideal.</p> Vander Casaqui Copyright (c) 2022 Convergências https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-12-30 2021-12-30 1 1 e1526 e1526 10.19141/2764-8435.convergencias.v1.n1.pe1526 “Não sejam cristãos frouxos”: https://revistas.unasp.edu.br/convergencias/article/view/1530 <p>O texto analisa algumas das postagens de Malafaia na internet, durante a sindemia de Covid-19. O argumento é que seu discurso se utiliza de um <span style="font-style: normal !msorm;"><em>ethos</em></span><em>,</em> ao mesmo tempo bélico, e de cunho nacionalista (MAURICIO JUNIOR, 2019), em que o sacrifício pela nação supostamente cristã, representada pelo governo Bolsonaro, justificaria a inação e mesmo o boicote às medidas de controle da crise sanitária.</p> Réia Sílvia Gonçalves Pereira Copyright (c) 2022 Convergências https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2021-12-30 2021-12-30 1 1 e1530 e1530 10.19141/2764-8435.convergencias.v1.n1.pe1530