As mediações culturais da rádio gospel Hora no cotidiano de jovens ouvintes de Campo Grande - MS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.19141/2764-8435.convergencias.v1.n1.pe1525

Palavras-chave:

Rádio, Religião, Juventude, Cultura Gospel, Mediações

Resumo

A religiosidade é um importante fator de mediação social. Os números do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE/Censo 2010) mostram que mais de 20% da população é evangélica e as projeções são de que este grupo deve superar o número de católicos, religião predominante até o momento, na próxima década. A religiosidade são se limita aos espaços internos das igrejas, engloba todo o comportamento social a partir da inserção dos fiéis em espaços de poder e nos meios de comunicação social. A partir desta perspectiva, esta pesquisa discutiu o uso de uma rádio gospel no cotidiano de jovens com idades entre 15 e 29 anos, de Campo Grande - MS. A emissora escolhida foi a rádio Hora (FM 92,3), de caráter comercial, que não possui vínculo com nenhuma denominação religiosa, o que lhe confere autonomia administrativa e a possibilidade de atingir um público mais vasto. Analisou-se as formas de consumo desta emissora pelo público selecionado e identificou-se como as principais mediações culturais que permeiam o cotidiano desses receptores: a identidade religiosa formada e fortalecida a partir da cotidianidade familiar, as narrativas de um movimento gospel cada vez mais próximo à cultura secular, as tecnicidades de uma emissora que se utiliza de todos os recursos audiovisuais para adentrar à rotina de seus ouvintes e as redes e fluxos de informação que fortalecem a cultura gospel. As análises foram realizadas utilizando o modelo teórico-metodológico de Jesús Martín-Barbero: o quarto mapa das mediações.

Biografia do Autor

Fládima Rodigues Christofari, Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural

Mestre em Comunicação Social pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação (PPGCOM) da Faculdade de Artes, Letras e Comunicação (FAALC) na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Bacharel em Jornalismo e Especialista em Comunicação Organizacional e Assessoria de Comunicação. E-mail: fladimachristofari@gmail.com ORCID: https://orcid.org/0000-0001-9352-090X 

Daniela Cristiane Ota, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutora em Comunicação pela ECA-USP. Professora Associada do curso de Jornalismo e do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faculdade de Artes, Letras e Comunicação (FAALC) na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande, Brasil. E-mail: daniela.ota@ufms.br ORCiD: https://orcid.org/0000-0002-2599-9872

Referências

BELLOTI, K. K. Pensando positivo: uma história cultural do gênero de aconselhamento e autoajuda religiosa nos Estados Unidos e no Brasil (1930-1960). In: BELLOTI, K.; CUNHA, M. N. (Orgs). Mídia, religião e cultura: percepções e tendências em perspectiva global. Curitiba: Appris, 2019.

BIANCO, N. R. Del (Org.). O rádio brasileiro na era da convergência. São Paulo: INTERCOM, 2012. E-book (Coleção GP’S: grupos de pesquisa; vol. 5).

CUNHA, M. do N. A explosão gospel: um olhar das ciências humanas sobre o cenário evangélico no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad X: Instituto Mysterium, 2007.

CUNHA, M. do N. Elucidações contemporâneas nos estudos brasileiros em mídia e religião: a perspectiva das mediações culturais e comunicacionais. In: BELLOTI, K.; CUNHA, M. do N. (Orgs.). Mídia, religião e cultura: percepções e tendências em perspectiva global. Curitiba: Appris, 2019.

FELIPPI, Â. C. T; VILLELA, R. S.; SILVEIRA, R. L. L. da. La espacialidad en el mapa comunicativo de la cultura: producto social y condición del devenir. In: JACKS, N.; SCHMITZ, D.; WOTTRICH, L. Un nuevo mapa para investigar la mutación cultural: diálogo con la propuesta de Jesús Martín-Barbero. Quito: Ediciones Ciespal, 2019.

GOMES, P. G. Da igreja eletrônica à sociedade em midiatização. São Paulo: Paulinas, 2010.

HOOVER, S. Mídia e religião: premissas e implicações para os campos acadêmico e midiático. In: BELLOTI, K.; CUNHA, M. do N. (Orgs.). Mídia, religião e cultura: percepções e tendências em perspectiva global. Curitiba: Appris, 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo 2010: número de católicos cai e aumenta o de evangélicos, espíritas e sem religião. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/14244-asi-censo-2010-numero-de-catolicos-cai-e-aumenta-o-de-evangelicos-espiritas-e-sem-religiao. Acesso em 17 ago. 2022.

JACKS, N.; TOALDO, M. M. Brasil em números: dados para pesquisas de comunicação e cultura em contextos regionais. Florianópolis: Insular, 2014.

JACKS, N.; SCHMITZ, D.; WOTTRICH, L. (Orgs.). Un nuevo mapa para investigar la mutación cultural: diálogo con la propuesta de Jesús Martín-Barbero. Quito: Ediciones CIESPAL, 2019.

JENKINS, H. Cultura da Convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

KANTAR IBOPE MEDIA. Inside Radio 2020, no ritmo da transformação. Disponível em: https://www.kantaribopemedia.com/estudos-type/inside-radio-2020/. Acesso em: 17 ago. 2022.

LOPES, M. I. V. A teoria barberiana da comunicação. MATRIZes, v. 12, n. 1, p. 39-63, 2018. http://dx.doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v12i1p39-63 DOI: https://doi.org/10.11606/issn.1982-8160.v12i1p39-63

MARTÍN-BARBERO, J. Jóvenes: Entre el palimpsesto y el hipertexto. Ned Ediciones, Edição do Kindle, 2017.

MARTÍN-BARBERO, J. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. 7. ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2015.

MARTÍN-BARBERO, J. Secularizacion, desencanto y reencantamiento massmediatico. Dialogos de la comunicación, n. 41, p. 71-81, mar. 1995.

MARTÍN-BARBERO, J. Diálogos Midiológicos 6. Comunicação e Mediações Culturais: uma entrevista com Jesús Martin Barbero por Claudia Barcellos. Rádio CBN, São Paulo, v. 1, janeiro-junho 2000.

MOURA, A. A indústria da música gospel. São Paulo: Scortecci, 2018.

NOVAES, R. Os jovens, os ventos secularizantes e o espírito do tempo. In: TEIXEIRA, F.; MENEZES, R. (Orgs.). As religiões no Brasil: continuidades e rupturas. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

O MERCADO de música gospel bate recorde mundial durante a pandemia. Terra, out. 2020. Disponível em: https://www.terra.com.br/noticias/dino/o-mercado-de-musica-gospel-bate-recorde-mundial-durante-a-pandemia,b9e30af3e329c739b2e027501b1c1a95babn6ixz.html Acesso em: 17 ago. 2022.

SCHIAVON, F. Artistas da música gospel inovam jeito de fazer música e atraem públicos de outras religiões. Música. Folha de S. P., set. 2019. Disponível em: https://f5.folha.uol.com.br/musica/2019/09/artistas-da-musica-gospel-inovam-jeito-de-fazer-musica-e-atraem-publico-de-outras-religioes.shtml Acesso em:

PIERUCCI, A. F. “Bye bye, Brasil”: O declínio das religiões tradicionais no Censo 2000. Estudos Avançados, São Paulo, v. 18, n. 52, 2004. https://doi.org/10.1590/S0103-40142004000300003 DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142004000300003

PRATA, N.; LOPEZ, D. C.; CAMPELO, W. Panorama do rádio religioso no Brasil. In: XXXVII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2014, Foz do Iguaçu, PR. Anais Intercom – Sociedade Braisleira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. Foz do Iguaçu: Intercom, 2014, p.1-15. Disponível em http://www.intercom.org.br/papers/nacionais/2014/resumos/R9-0548-1.pdf. Acesso em: 15 jun. 2020.

SOUZA, C. de; PAIVA, I. L. de. Faces da juventude brasileira: entre o ideal e o real. Estudos de Psicologia, Natal, v. 17, n. 3, p. 353-360, 2012. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2012000300002 DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-294X2012000300002

TELLAROLI, T. Rádio Cultura AM 680: trajetória e perspectivas do analógico ao digital. In: OTA, D. C. (Org.). A história do rádio em Campo Grande. Campo Grande: UFMS, 2015.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

CHRISTOFARI, F. R.; OTA, D. C. As mediações culturais da rádio gospel Hora no cotidiano de jovens ouvintes de Campo Grande - MS. Convergências, Engenheiro Coelho, São Paulo, v. 1, n. 1, p. e1525, 2021. DOI: 10.19141/2764-8435.convergencias.v1.n1.pe1525. Disponível em: https://revistas.unasp.edu.br/convergencias/article/view/1525. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos para Dossiê