Ensino e aprendizagem para universitários sob a ótica da motivação
PDF

Como Citar

Prates, E. (2016). Ensino e aprendizagem para universitários sob a ótica da motivação. Lumen: Educare, 2(1), p. 11-29. https://doi.org/10.19141/2447-5432/lumen.v2.n1.p.31-50

Resumo

a motivação se destaca como um construto importante para o ensino eficaz e aprendizagem significativa. A busca dos profissionais da educação é por estratégias e procedimentos mais eficazes para que os estudantes aprendam e apliquem os conhecimentos adquiridos nas universidades. Nesse sentido, este estudo consistiu na aplicação da Escala de Motivação Acadêmica (EMA), baseada na Teoria da Autorregulação, em 814 universitários paulistas e mineiros, sendo 70,3% do gênero feminino, com faixa etária de 18 a 62 anos, dos cursos de administração (57,3%), psicologia (27,2%) e pedagogia (15,5%). Constatou-se que os estudantes apresentaram média menor para o fator motivação extrínseca por recompensas sociais e média maior no fator motivação intrínseca, demonstrando ser esta a motivação que melhor proporciona a aprendizagem. Verificou-se, também, uma alteração no continuum de autorregulação: as mulheres balizam mais seu estudo pela motivação intrínseca; quanto mais os universitários avançam em idade, mais a motivação intrínseca sobressai. Concluiu-se que a motivação permeia todos os semestres, sendo fator importante para a didática. O curso de administração mostrou-se mais dependente da motivação extrínseca para o estudo, enquanto os cursos de pedagogia e psicologia se aproximaram muito mais da motivação intrínseca. A hipótese da necessidade de refinamento dos itens que medem a motivação extrínseca e a ampliação e diversificação da amostra oportunizariam o aprofundamento da investigação.

Palavras-chave: Motivação; Ensino superior; Teoria da autodeterminação.


Abstract: The motivation has stood out as an important construct to an effective teaching and a meaningful learning. The educational professionals have searched for strategies, so more efficient procedures for students to learn and apply the knowledge acquired at the universities. With this in mind, this paper applied the Academic Motivation Scale (AMS), based on the Self-Regulation Theory, to 814 college students from the Brazilian states of São Paulo and Minas Gerais, being 70.3% of the female gender with ages ranging from 18 to 62 years old, from the courses of administration (57.3%), psychology (27.2%) and pedagogy (15.5%). It was observed that the students showed a lower average to the outer motivation element for social rewards, and a higher average in the inner motivation element, demonstrating this is the motivation that better offers learning. There was also noted a modification in the continuum of self-regulation: women limit their study more to the inner motivation; the older the college students, the more the inner motivation stands out. It concludes that the motivation permeates during all the semesters, being an important element to the didactics. The administration course has proved to be more dependent on the outer motivation to study, while pedagogy and psychology courses approximated themselves much more to the inner motivation. The hypothesis of the necessity of filtering the items that measure the outer motivation and the growth and diversification of the sample would allow for the deepening of the research.

Keywords: Motivation; Higher education; Self-determination theory.

https://doi.org/10.19141/2447-5432/lumen.v2.n1.p.31-50
PDF

Referências

ÁREAS do conhecimento. CNPq, 2010. Disponível em: <http://bit.ly/2ajqb1r>. Acesso em: 18 ago. 2010.

ALARCÃO, I. Escola reflexiva e nova racionalidade. Porto Alegre: Artmed, 2001.

ALMEIDA, L.; SOARES, A.; FERREIRA, J. Adaptação, rendimento e desenvolvimento dos estudantes no ensino superior: construção / validação do questionário de vivências Acadêmicas. Braga: Universidade do Minho, Centro de Estudos em educação e Psicologia, 1999.

ASTIN, A. What matters in college? Four critical years revisited. San Francisco: Jossey-Bass Publishers, 1993.

BORUCHOVITCH, E. Escala de motivação para aprender de universitários (EMA-U): propriedades psicométricas. Avaliação Psicológica, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 127-134, ago. 2008a.

BORUCHOVITCH, E. Motivação para aprender de estudantes em curso de formação de professores. Revista Educação, Porto Alegre, v. 31, n. 1, p.30-38, jan./abr. 2008b.

BZUNECK, J. A motivação do aluno: aspectos introdutórios. In: BORUCHOVITCH, E.; BZUNECK, A. A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. Petrópolis: Vozes, 2001. p. 9-36.

DECI, E.; RYAN, R. A Motivational approach to self: integration in personality. Nebraska Symposium on Motivation: perspectives in motivation, v. 38, p. 237-288, 1991.

DECI, E.; RYAN, R. Handbook of self-determination research. New York: The University Rochester Press, 2004.

DECI, E.; RYAN, R. Intrinsic motivation and self-determination in human behavior. New York: Plenum Press, 1985.

DECI, E.; RYAN, R. M. The “what” and “why” of goal pursuits: Human needs and self-determination of behavior. Psychological Inquiry, v. 11, n. 4, p. 227-268, 2000.

FREIRE, L. G. Auto-regulação da aprendizagem. Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 276-286, jul.2009.

GETZELS, J.; THELEN, H. The classroom group as a unique social system. In: HENRY, N. The dynamics of instructional groups, sociopsychological aspects of teaching and learning: the 59th yearbook of the National Society for Study of Education. Chicago: University of Chicago Press, 1960.

GUIMARÃES, S. Avaliação das orientações motivacionais intrínseca e extrínseca de alunos de licenciaturas. Dissertação. (Mestrado em Educação). Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 1996.

GUIMARÃES, S. E.; BZUNECK, J. Propriedades psicométricas de uma medida de avaliação da motivação intrinseca e extrínseca: um estudo exploratório. Psico-USF, Itatiba, p. 01-08, 2002.

GUIMARÃES, S. E.; BZUNECK, J. Propriedades psicométricas de um instrumento para avaliação da motivação de universitários. Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v. 13, n.1, p. 101-113, mar. 2008.

GUIMARÃES, S.; BZUNECK, J., JOLY, M. Escala de Motivação Acadêmica (EMA). Universidade Estadual de Londrina, Universidade São Francisco, 2010.

GUIMARÃES, S.; BZUNECK, J.; SANCHES, S. Psicologia educacional nos cursos de licenciatura: a motivação dos estudantes. Psicologia Escolar e Educacional, Campinas, v. 6, n. 1, p.11-19, jun. 2002.

MIRANDA, G. Aprendizagem e transferência de conhecimentos. In: MIRANDA, G. BAHIA, S. Psicologia da educação: temas de desenvolvimento, aprendizagem e ensino. Lisboa: Relógio D’Água Editores, 2005.

MURPHY, P.; ALEXANDER, P. A motivated exploration of motivation terminology. Contemporary Educational Psychology, v. 25, p. 3-53, 2000.

NEVES, D. Ciência da informação e cognição humana: uma abordagem do processamento da informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 35, n. 1, p.39-44, jan./abr. 2006.

PRATES, E.; PRATES, E. Vínculos afetivos entre professor e aluno: facilitadores da aprendizagem, sob a ótica do adolescente. São Paulo: Editora Universitária Adventista, 2010.

REEVE, J.; DECI, E.; RYAN, R. Self-determination theory. A dialectical framework for understand sociocultural influences on student motivation. In: MCINERNEY, D.; VAN ETTEN, S. Big Theories Revisited. Connecticut: Age Publishing, 2004.

RUIZ, V. Aprendizagem em universitários: variáveis motivacionais. Campinas: Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Tese de Doutorado em Psicologia, 2005.

RUIZ, V. M. Estratégias motivacionais: um estudo exploratório com universitários de um curso noturno de administração. Psicologia Escolar e Educacional, Campinas, v. 8, n. 2, p. 167-177, dez., 2004.

SIMÃO, A. Aprendizagem estratégica: uma aposta na auto regulação. Lisboa: Ministério da Educação, 2002.

SPINATH, B. Development and modification of motivation and self-regulation in school contexts: Introduction to the special issue. Learning and Instruction, v. 15, p. 85-86, 2005.

VALLERAND, R.; PELLETIER, L.; BLAIS, M.; BRIÈRE, N.; SENÉCAL, C.; VALLIÈRES, E. The academic motivation scale: a measure of intrinsic, extrinsic, and amotivation in education. Educational and Psychological Measurement, v. 52, p. 1003-1017, 1992.

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Downloads

Não há dados estatísticos.