Mídia, família e religião: análise da influência da televisão no desenvolvimento religioso da criança
PDF

Palavras-chave

televisão
religião
desenvolvimento da criança.

Como Citar

Silva, D. (2006). Mídia, família e religião: análise da influência da televisão no desenvolvimento religioso da criança. Kerygma, 2(1), 58. Recuperado de https://revistas.unasp.edu.br/kerygma/article/view/314

Resumo

 A proposta deste estudo é compreender o tipo de influência que a televisão exerce sobre o desenvolvimento religioso da criança. Esse trabalho parte de dois pressupostos básicos: (1) a televisão afeta o desenvolvimento da criança. E essa influência se dá nos hábitos, no comportamento, nos valores e na maneira de compreender o mundo; (2) a televisão é um agente de socialização que integra o desenvolvimento da criança moderna, ocupando o mesmo espaço da família, escola, sociedade e religião. Dentro do procedimento metodológico, essa pesquisa se valeu de levantamento bibliográfico nas áreas educacional, no aspecto do desenvolvimento psicológico e social da criança e; na antropológica, da comunicação e da religião. Já para identificarmos os efeitos da televisão sobre o desenvolvimento da criança, aplicamos questionários em crianças de nove a onze anos, com perguntas objetivas e subjetivas. A pesquisa de campo foi realizada com alunos do Ensino Fundamental do Colégio Unasp, na cidade de Engenheiro Coelho (SP). Concluímos que a televisão é um agente de socialização, cuja atuação se dá nas falhas dos demais agentes sociais. Esta falha é, principalmente, o não comprometimento da família com a educação e com o desenvolvimento dos infantes. Sendo assim, a mídia acaba exercendo o papel de socialização que a própria família deveria assumir, o de mediar a relação criança-sociedade, criança-escola e criança-religião. Tal mediação ocorre por meio da reafirmação ou questionamento dos valores transmitidos por essas instituições sociais.

PDF

Referências

BOUTIN, Renata. “Tv, criança e irresponsabilidade social”. Http://www.contexto.com.br/ artigorenataboutin.htm, disponível em 06/06/2005.

BAUDRILLARD, Jean. A ilusão vital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

BRASIL, Antonio. “O poder das imagens e o futuro da TV”. Http://www.ietv.org.br/ pensar_tv_artigo.php?id=299, disponível em 20/06/2005.

CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 1999.

CHINOY, Ely. Sociedade: uma introdução à sociologia. São Paulo: Cultrix, 1975.

CONSONI, Adelaide. “A influência da mídia no Imaginário Infantil”. Http://paulo-v.sites.uol.com.br/textos/img9.htm, disponível em 05/04/2005.

CRES, Elna. “Sociologia da Religião”. Entrevista concedida a Danielson Roaly em 15/04/2004, duração 15 minutos.

FAW, Terry. Psicologia do Desenvolvimento: infância e adolescência. São Paulo: Mcgraw-Hill, 1981.

FILHO, Ciro Marcondes. Televisão: a vida pelo vídeo. São Paulo: Moderna, 1988.

GODAWA, Brian. Cinema e fé cristã. Viçosa-MG: Ultimato, 2004.

HAIDT, Regina C. C. Curso de didática geral. São Paulo: Editora Ática, 2001.

KEHL, Maria Rita. “Imaginário e Pensamento”. In: Mauro Wilton de Souza. Sujeito: o lado oculto do receptor. São Paulo: Brasiliense, 1995.

LANE, Silvia. “As categorias fundamentais da psicologia social”. In: Codo, Wanderley e Silvia Lane (orgs). Psicologia social: o homem em movimento. São Paulo: Brasiliense,1989.

LARRIC, Nancy. Children of TV. In: Joe Wheeler. Comando a distância: como a tv o afeta a si e à sua família. Portugal: Atlântico, 1997.

LOBO, Luiz. Televisão: nem babá eletrônica nem bicho-papão. Rio de Janeiro: Lidador, 1990.

MACLEINMONT, Sergio Ricardo Q. “Televisão e crianças – novas perspectivas de relação”. In: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, Vol. XXV, nº 1, janeiro/junho de 2002.

MATOS, Margarida. Corpo, movimento e socialização. Rio de Janeiro: Sprint, 1993.

MILCARE, Luciana. “Redescobrindo o Papel das Emoções”. Http://www.bomjesus.br/ publicacoes/pdf/revista_PEC_2003/2003_redescobrindo_papel_emocoes.pdf, disponível em 21 de outubro de 2005.

OLMOS, Ana. “O aprendizado pela TV”. Entrevista feita pelo revista do IDEC. Http://www.idec.org.br/rev_idec_texto2.asp?pagina=2&ordem=2&id=99, disponível em 28 de setembro de 2005.

PILLETI, Nelson. Psicologia Educacional. São Paulo: Editora Ática, 2003.

VIOTTI, Frederico R. A. “Origem e fundamento da mística pós-moderna”. Http://www.angelfire.com/id/Viotti/PosModern.html, disponível em 20/09/2005.

WHEELER, Joe. Comando a distância: como a tv o afeta a si e à sua família. Portugal: Atlântico, 1997.

WHITE, Ellen G. Conselho sobre educação. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1992.

______________. O Lar Adventista. Tatuí, SP: Casa Publicadora Brasileira, 1989.

Uma vez aceitos para a publicação, os direitos autorais dos artigos são automaticamente transferidos à Kerygma. Todo material utilizado no texto que possua direitos autorais de terceiros devem estar devidamente referenciados. As pessoas autoras também devem deter os direitos de reprodução das imagens e tabelas em seu material, caso seja necessário. Autores(as) que publicam na Kerygma devem concordar com os seguintes termos:

Termo 1: Os(as) autores(as) concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
Termo 2: Os(as) autores(as) têm a autorização para assumir contratos adicionais para a distribuição não exclusiva de seu trabalho, conforme publicado na revista (por exemplo: repositório institucional, capítulo de livro etc.). Contudo, ele deve reconhecer a autoria e a publicação inicial do trabalho à Kerygma.
Termo 3
: Os(as) autores(as) concordam com a reprodução livre de seu material pela Kerygma, que poderá adaptar, modificar, condensar, resumir, reduzir, compilar, ampliar, alterar, mixar com outros conteúdos, incluir imagens, gráficos, objetos digitais, infográficos e hyperlinks, ilustrar, diagramar, fracionar, atualizar, traduzir e realizar quaisquer outras transformações, sendo necessária a participação ou autorização expressa dos autores. Ela também pode distribuir mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permite acesso ao usuário em tempo e lugar determinados, seja por vias gratuitas ou por sistemas que importem pagamento. A Kerygma poderá incluir o trabalho em banco de dados, físico ou virtual, arquivar em formato impresso, armazenar em computador, em sistema de nuvem, microfilmar e demais formas de arquivamento atuais ou que ainda possam ser desenvolvidas, com ou sem fins lucrativos.

A revista Kerygma é detentora dos direitos de todos os trabalhos publicados por ela. A reprodução integral desses textos em outras publicações, para qualquer outra finalidade, por quaisquer meios, requer autorização por escrito do editor. O mesmo serve para reproduções parciais, como resumo, abstract, porções com mais de 500 palavras do texto, tabelas, figuras, ilustrações etc.

Downloads

Não há dados estatísticos.