Princípios educacionais em Ellen G. White
PDF

Palavras-chave

Religião
Educação
Redenção

Como Citar

Darius, F. A., & Pancotte, R. P. (2012). Princípios educacionais em Ellen G. White. Kerygma, 8(1), 108–122. Recuperado de https://revistas.unasp.edu.br/kerygma/article/view/121

Resumo

O presente artigo visa a apresentar e contextualizar historicamente a proposta educacional de Ellen G. White (1827-1915), concebida no âmago da Guerra Civil e da reforma na educação dos Estados Unidos nos anos 1860. Seus escritos (mais de cem mil páginas manuscritas em quase noventa anos) abordam temas aparentemente tão díspares quanto teologia geral, escatologia, estilo de vida, saúde, história e educação. Contudo, a obra whiteana, embora dialética e assistemática, é teleológica, e objetiva eminentemente a redenção humana. É sob esse viés professamente redentivo que seus escritos educacionais integram educação mental, física e moral, constituindo um corpo privilegiado de conhecimento vivencial. 

PDF

Referências

BLAINEY, G. Uma breve história do século XX. São Paulo: Fundamento Educacional, 2008.

COMENIUS. Didática Magna. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

DOUGLASS, H. Mensageira do Senhor: o ministério profético de Ellen G. White. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2003.

FAGAL, W. 101 Questions About Ellen G. White and Her Writings. Nampa: Pacific Press Publishing Association, 2010.

FERRARI, M. Maria Montessori: segundo a visão pedagógica da pesquisadora italiana, o potencial de aprender está em cada um de nós. Educar para crescer, 2011. Disponível em: http://bit.ly/Js7u6. Acesso em: 1 fev. 2012.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GREENLEAF, F.; SCHWARZ, R. W. Portadores de Luz: história da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Engenheiro Coelho: Unaspress, 2009.

GUIMARÃES, M. S. Entre amadorismo e profissionalismo: as tensões da prática

histórica no século XIX. Topoi - Revista de História do Programa de Pós-Graduação

em História Social da UFRJ. Rio de Janeiro, dez. 2002.

HOBSBAWN, E. J. A Era do Capital. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

______. Era dos extremos: o breve século XX 1914-1991. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

HOYT, F. Ellen G. White’s Hometown: Portland, Maine, 1827-1846. In: DOUGLASS, H. Mensageira do Senhor: o ministério profético de Ellen G. White.

Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2003.

JAEGER, W. Paideia: los ideales da la cultura griega. México: Fondo de Cultura Económica, 2001.

JEDAN, D. Theory and Practice: Johann Heinrich Pestalozzi. Vitae Scholasticae, 1990. v. 9.

KARDEC, A. Revista Espírita: jornal de Estudos Psicológicos. Araras: Instituto de Difusão Espírita, 1999.

KARNAL, L. et al. História dos Estados Unidos: das origens ao século XXI. São Paulo: Contexto, 2008.

KEPPEL, F. A revolução necessária na educação americana. Rio de Janeiro: Forense, 1970.

KNIGHT, G. R. Ellen G. Whites World: a fascinating look at the times in which she lived. Hagerstown: Review and Herald Publishing Association, 1998.

______. Myths in Adventism: an interpretative study of Ellen G. White, education, and related issues. Hagerstown: Review and Herald Publishing Association, 2009.

MANN, M. (Ed.). Life and Works of Horace Mann. Boston: Horace B. Fuller, 1868. v. 3.

MONTESSORI, M. Education for a New World. Santa Barbara: ABC Clio, 1989.

NIETZSCHE, F. W. Assim falava Zaratrusta: um livro para todos e para ninguém. São Paulo: Escala, 200-.

NOLL, M. A History of christianity in the United States and Canada. Grand Rapids: Willian B. Eerdmans Publishing Company, 1992.

TILLICH, P. Teologia da Cultura. São Paulo: Fonte Editorial, 2009

TOULOUSE, M. G.; DUKE, J. Makers of christian theology in America. Naschville: Abingdon Press, 1997.

WHITE, E. O lar adventista. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 1996.

_______. Caminho a Cristo: passos que conduzem à certeza da salvação. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2008.

_______. Christ’s object lessons. Washington: Review and Herald Publishing Association, 1941.

_______. Conselhos sobre Educação. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2002.

_______. Counsels on diet and foods, 1938. Washington: Review and Herald Publishing Association, 1976.

_______. Educação. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2007.

_______. Steps to Christ. Mountain View: Pacific Press Publishing Association, 1956.

_______. Testemunhos para a igreja. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 1948. v. 3.

_______. A ciência do bom viver. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2006.

_______.The Seventh-day Adventist Bible Commentary: Ellen G. White comments. Washington: Review and Herald Publishing Association, 1970.

_______. Vida e Ensinos. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 2000.

Uma vez aceitos para a publicação, os direitos autorais dos artigos são automaticamente transferidos à Kerygma. Todo material utilizado no texto que possua direitos autorais de terceiros devem estar devidamente referenciados. As pessoas autoras também devem deter os direitos de reprodução das imagens e tabelas em seu material, caso seja necessário. Autores(as) que publicam na Kerygma devem concordar com os seguintes termos:

Termo 1: Os(as) autores(as) concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional, permitindo o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.
Termo 2: Os(as) autores(as) têm a autorização para assumir contratos adicionais para a distribuição não exclusiva de seu trabalho, conforme publicado na revista (por exemplo: repositório institucional, capítulo de livro etc.). Contudo, ele deve reconhecer a autoria e a publicação inicial do trabalho à Kerygma.
Termo 3
: Os(as) autores(as) concordam com a reprodução livre de seu material pela Kerygma, que poderá adaptar, modificar, condensar, resumir, reduzir, compilar, ampliar, alterar, mixar com outros conteúdos, incluir imagens, gráficos, objetos digitais, infográficos e hyperlinks, ilustrar, diagramar, fracionar, atualizar, traduzir e realizar quaisquer outras transformações, sendo necessária a participação ou autorização expressa dos autores. Ela também pode distribuir mediante cabo, fibra ótica, satélite, ondas ou qualquer outro sistema que permite acesso ao usuário em tempo e lugar determinados, seja por vias gratuitas ou por sistemas que importem pagamento. A Kerygma poderá incluir o trabalho em banco de dados, físico ou virtual, arquivar em formato impresso, armazenar em computador, em sistema de nuvem, microfilmar e demais formas de arquivamento atuais ou que ainda possam ser desenvolvidas, com ou sem fins lucrativos.

A revista Kerygma é detentora dos direitos de todos os trabalhos publicados por ela. A reprodução integral desses textos em outras publicações, para qualquer outra finalidade, por quaisquer meios, requer autorização por escrito do editor. O mesmo serve para reproduções parciais, como resumo, abstract, porções com mais de 500 palavras do texto, tabelas, figuras, ilustrações etc.

Downloads

Não há dados estatísticos.