Epistemologia do método das partidas dobradas: considerações sobre aspectos históricos e métodos de ensino

Waggnoor Macieira Kettle, Lucas Barros Kettle

Resumo


Este artigo tem por objetivo apresentar algumas reflexões sobre a epistemologia do Método das Partidas Dobradas (MPD), em seus aspectos teórico-conceituais e históricos, bem como métodos utilizados no processo de ensino e aprendizagem. Por meio de levantamento bibliográfico, de abordagem descritiva e qualitativa, o artigo expõe algumas teorias oriundas de estudos que fundamentaram o MPD em seus
primórdios. Isto se apresenta no contexto da Escola Europeia, a qual antecedeu a Escola Norte-Americana que, por sua vez, adotou o MPD como uma mera convenção contábil verificada e aceita pelas empresas até os dias atuais. Aspectos sobre o ensino também tiveram o seu lugar no artigo, no tocante a métodos adotados no processo educativo e de formação dos futuros contadores. Métodos como o do aluno participativo; o da sequência dos pontos; aplicação e origem de recursos; jogos de empresas; e causa e efeito.


Palavras-chave


Educação contábil; Método das partidas dobradas; Formação profissional; Teoria contábil; Métodos de ensino.

Texto completo:

PDF

Referências


FAVARIN, A. M. Uma contribuição à modelagem de simulador de transações aplicado ao ensino da Contabilidade Geral. São Paulo, 2000. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo – Departamento de Contabilidade e Atuária. São Paulo, SP, 2000.

FRANCO, H. Formação educacional e profissional do contador. Revista Brasileira de Contabilidade, v. 22 n. 82, março, 1993, p. 34-35.

GOMES, D. R. A evolução dos registros contabilísticos e a aplicação da partida dobrada em Portugal. Braga, 2000. Dissertação (Mestrado em Contabilidade e Auditoria) - Universidade do Minho. Braga, Portugal, 2000.

IJIRI, Y. Momentum Accounting and Triple-Entry Bookeeping: exploring the dynamic structure of Accounting Measurements. American Accoounting Association, Studies in Accounting Research, nº 31, Sarasota, 1989.

IUDÍCIBUS, S. de Introdução à Teoria da Contabilidade. 3. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2002.

LIRA, M. M. C. Utilização do método das partidas dobradas na civilização romana. Revista Brasileira de Contabilidade, Brasília, n. 176, 2009, p. 29-41.

_________________. A Arte da Escritura Dobrada – uma reflexão. Revista Brasileira de Contabilidade, Brasília, n. 190, 2011, p. 49-63.

MARION, J. C. O Ensino da Contabilidade. 2. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2001.

MARION, J. C.; MARION, A. L. C. Metodologias de Ensino na área de negócios: para cursos de administração, gestão, contabilidade e MBA. São Paulo, SP: Atlas, 2006.

MARTINELLI, D. P. A Utilização dos Jogos de Empresas no Ensino da Administração. São Paulo, 1987. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo – Departamento de Administração, São Paulo, SP, 1987.

MELIS, F. Storia della ragioneria – contributo Allá conoscenza e interpretazione delle fonti piú signifi cative della storia econômica. Itália: Bologna – Dott. Cesare Zuffi – Editore, 1950.

SÁ, A. L. de. História Geral da Contabilidade no Brasil. Brasília, DF: Conselho Federal de Contabilidade, 2008.




DOI: https://doi.org/10.19141/2594-7680.actanegocios.v1.n2.p13-31

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Acta Negócios

ACN, Engenheiro Coelho, São Paulo, Brasil. ISSN: 2594-7680.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia