O ESTADO DA ARTE SOBRE A FORMAÇÃO DOCENTE PARA A DIVERSIDADE CULTURAL INDÍGENA

Vivian Cristina Balan Fiuza, Germana Ponce de Leon Ramirez

Resumo


O presente artigo expõe o resultado da pesquisa bibliográfica na qual se analisou o conteúdo dos resumos de periódicos, revistas, dissertações e teses defendidas em programas de pós-graduação (stricto sensu) com vistas à formação docente para a diversidade cultural indígena entre os anos de 2008 e 2017. Os dados foram obtidos a partir dos seguintes bancos de pesquisa: Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD), Google acadêmico, Scientific Eletronic Library Online (Scielo) e Comissão de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior (Capes). O intuito deste
artigo é de mapear as pesquisas realizadas nos últimos anos sobre a implantação
da Lei 11.645/08, que torna obrigatório o ensino da temática indígena no contexto escolar. Buscaram-se também informações sobre o aporte aos docentes da educação básica, os quais devem aplicar os conceitos em sala de aula. A pesquisa considerou os seguintes indicadores: problemática descrita nos resumos, tipo de pesquisa, área de estudo, ano da defesa, local de publicação, autores e os seguintes descritores: Lei 11.645/08, formação docente, diversidade cultural indígena e temática indígena na escola. Os resultados indicam que, dos 158.895 artigos encontrados, apenas 79 publicações se relacionam diretamente com a temática investigada, o que demonstra que não há uma quantidade significativa de artigos publicados sobre a temática indígena no contexto de formação de docentes não indígenas. Constatou-se, portanto, a relevância de empreender pesquisas sobre essa temática no sentido de conscientizar os docentes a valorizar a diversidade étnico-racial dos povos indígenas.


Palavras-chave


Lei 11.645/08; Formação Docente; Diversidade Cultural Indígena; Temática Indígena na Escola.

Texto completo:

PDF

Referências


CANEN, A; XAVIER, G. P.M. Formação continuada de professores para a diversidade cultural: ênfases, silêncios e perspectivas. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 16, n. 48, p. 641-661, 2011.

FERREIRA, N. S. A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, Campinas, v. 23, n. 79, p. 257-272, 2002.

FONSECA, S. G. Didática e prática de ensino em História. São Paulo: Pairus, 2007.

GOMES, N. L. Diversidade e currículo. In: BEAUCHAMP, J.; PAGEL, S. D.; NASCIMENTO, A. R. do (Org.). Indagações sobre currículo. Brasília, DF: MEC, 2008.

MUNANGA, K. Negritude: usos e sentidos. São Paulo: Editora Ática, 1988.

PORTO, G. Z. Processo de profissionalização docente no brasil: tensões e desafios. Historia de la Educación, Recife, v. 33, p. 149-163, 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 out. 2016.

ROËSCH, I. C. C; MIORANZA, A. J. A diversidade cultural no cotidiano da sala de aula. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 2., Cascavel, 2010. Anais... Cascavel: Unioeste, 2010.

SILVA, A. C. O. da. Diversidades étnico-raciais e a política educacional em Pernambuco: a inclusão da História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena como conteúdo curricular. Recife, 2012, 167f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2012.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2011.




DOI: https://doi.org/10.19141/2236-2622.actacientifica.v26.n2.p31-42

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Acta Científica

ACC, Engenheiro Coelho, São Paulo, Brasil. ISSN: 2236-2622.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia