ESQUERDA E DIREITA: CONTRADIÇÕES E SENTIDOS NO BRASIL CONTEMPORÂNEO (1930-1990)

Walter Marquezan Augusto

Resumo


O objetivo do presente ensaio é fomentar a complexificação do entendimento do que pode ser considerado como “esquerda” e “direita” no Brasil contemporâneo, e o seu relacionamento com o Direito. Como premissa, podemos dizer que “direita” e “esquerda” são linhas de força que situam ideologicamente posicionamentos políticos historicamente localizados. Por serem insuficientes, em termos analíticos, para definirem a totalidade de um agente ou de um momento histórico, é possível que posicionamentos de esquerda e de direita convivam sem que isso encerre uma contradição direta e insuperável. O Direito é talvez a melhor ilustração de um campo em que convivência pacífica e batalhas ocorrem entre essas contradições. Considerando alguns exemplos da história do Estado brasileiro, o intuito final do presente trabalho é apontar para a conclusão de que entender as contradições e situá-las no seu devido contexto pode ser um melhor caminho para compreender o Brasil e o Direito no Brasil.

Palavras-chave


Direito; História do Direito; Filosofia Política; Brasil contemporâneo; esquerda e direita

Texto completo:

PDF

Referências


BASTOS, P. P. Z. A construção do Nacional-Desenvolvimentismo de Getúlio Vargas e a dinâmica de interação entre Estado e Mercado nos setores de base. Revista EconomiA, Brasília, v .7, n. 4, p. 239-275, 2006.

BERCOVICI, G. Soberania e Constituição: para uma crítica do constitucionalismo. São Paulo: Quartier Latin, 2008.

BERCOVICI, G. Direito Econômico do petróleo e dos recursos minerais. São Paulo: Quartier Latin, 2011.

BERCOVICI, G. Reformas de base e superação do subdesenvolvimento. Cadernos de Pós-Graduação em Direito, São Paulo, n. 27, 2014. Disponível em: . Acesso em: 28 ago. 2018.

BOBBIO, N. Direita e esquerda: razões e significados de uma distinção política. Tradução Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1995.

BRAUDEL, F. Civilização material, economia e capitalismo – séculos XV-XVIII, v. 2: os jogos das trocas. 2. ed. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1998.

DRAIBE, S. Rumos e metamorfoses: um estudo sobre a constituição do Estado e as alternativas da industrialização no Brasil, 1930-1960. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2004.

DE CHIARA, J. T. Capitais Estrangeiros. Revista de Direito Mercantil, Industrial, Econômico e Financeiro, São Paulo, n. 26, p. 67-85, 1977.

FURTADO, C. A pré-revolução brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro: Editôra Fundo de Cultura, 1962.

FURTADO, C. Desenvolvimento e Subdesenvolvimento. In: BIELSCHOWSKY, R. (Org.). Cinquenta anos de pensamento na CEPAL. Rio de Janeiro: Record, 2000. v. 1.

KON, A. (Org.). Planejamento no Brasil II. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2010.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Livro 1: o processo de produção do capital. Tradução de Rubens Enderle. São Paulo: Boitempo, 2013.

SINGER, A. V. Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.




DOI: https://doi.org/10.19141/1519.9800.acch.v27.n2.p9-21

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Acta Científica. Ciências Humanas

ACCH, Engenheiro Coelho, São Paulo, Brasil. ISSN: 1519-9800.

 

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia