A ABORDAGEM DA SUSTENTABILIDADE NO ENSINO DE CIÊNCIAS POR MEIO DE UMA METODOLOGIA ATIVA

Marco Aurélio Sivero Mayworm, Luana Almeida Ferreira, Vanessa Alves Neris

Resumo


Este trabalho apresenta os dados de uma pesquisa desenvolvida a partir de uma intervenção feita com alunos de três turmas do 6º ano do ensino fundamental de uma escola pública da região sul da cidade de São Paulo no segundo semestre de 2016. O objetivo central foi avaliar se o uso da metodologia ativa, contribui no ensino do tema Sustentabilidade para alunos do ensino fundamental II. A metodologia utilizada para esse estudo foram discussões, produção textual, desenhos e por fim painéis retratando um ambiente pré e pós ação antrópica. Os resultados obtidos demonstraram que a metodologia promoveu o aprendizado, bem como contribuiu para a formação cidadã dos alunos levando-os a repensar sua relação com meio ambiente promovendo atitudes sustentáveis. Mais do que isso, os resultados nos levam a pensar que a metodologia ativa, se de fato usada pelo professor, juntamente aos demais recursos que lhe forem disponíveis, pode desempenhar um papel significativo para o ensino nas aulas de Ciências, possibilitando não só uma maior ludicidade, mas também motivação e, portanto, imprimindo significância ao processo de aprendizagem para os alunos do ensino fundamental II.


Palavras-chave


Metodologia ativa; Sustentabilidade; Ensino de Ciências; Aprendizagem significativa.

Texto completo:

PDF

Referências


ANASTASIOU, L. G. C. Ensinar, aprender, apreender e processos de ensinagem. In: SEMINÁRIO DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOCENTE “PLANEJAMENTO E AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO SUPERIOR”, 4., 2011, Bagé. Anais... Bagé: Unipampa, 2011. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2016.

AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimentos. Lisboa: Plátano Edições Técnicas, 2000. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2016.

BARATA, R. A educação ambiental no contexto da sociedade: como promover comportamentos pró-ambientais? 2013. 266f. Tese (Doutoramento em Psicologia, na especialidade de Psicologia Social) – Escola de Ciências Sociais e Humanas, Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, 2013.

BERBEL, N. A. N. A. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Seminário: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Fundamental. Parâmetros curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. 3. ed. Brasília, 1998.

BULGRAEN, V. C. O Papel Do Professor E Sua Mediação Nos Processos de Elaboração Do Conhecimento. Revista Conteúdo, Capivari, v. 1, n. 4, 2010. Disponível: . Acesso em: 29 jun. 2016.

DIAS, G. F. Ecopercepção: um resumo didático dos desafios socioambientais. São Paulo: Gaia, 2004.

DILLON, J.; STEVENSON, R. Engaging environmental education: learning, culture and agency. Rotterdam: Sense, 2010.

FIGUEIREDO, O.; ALMEIDA, P.; CÉSAR, M. O papel das metaciências na promoção da educação para o desenvolvimento sustentável. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 3, n. 3, p. 320-338. Portugal, 2004. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2016.

FISCARELLI, R. B. de O. Material didático e prática docente. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 2, n. 1, 2007. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2016.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

OLIVA JÚNIOR, E. F. Os impactos ambientais decorrentes da ação antrópica na nascente do Rio Piauí – Riachão do Dantas/SE. Revista Eletrônica da Faculdade José Augusto Vieira, n. 07, 2012. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2016.

LAPERRIÈRRE, A. La theorisation ancrée (grounded theory): démarche analytique et comparaison avec d'autres approaches apparentées. In: POUPART, J.; DESLAURIERS, J. P.;

GROULX, L. H.; LAPERRIÈRE, A.; MAYER, R.; PIRES, A. La recherche qualitative: enjeux épistémologiques et méthodologiques. Gaëtan Morin Éditeur, p. 309-340. Canadá, 1997.

LEIS, H. R. A modernidade insustentável: as críticas do ambientalismo à sociedade contemporânea. Petrópolis: Vozes, 1999.

LIBÂNEO, J. C. Didática. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2013.

LOPES, E. M. T.; FILHO, L. M. F.; VEIGA, C. G. 500 anos de educação no Brasil. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2000.

LOPES, A. I. A. A relevância da metodologia de aprendizagem ativa e fora da sala de aula para a eficácia da Educação Ambiental. 2015. 74f. Tese (Mestrado em Ecologia e Gestão Ambiental) – Departamento de Biologia Animal, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2015.

MITRE, S. M.; SIQUEIRA-BATISTA, R.; GIRARDI-DE-MENDONÇA, J. M.; MORAIS-PINTO, N. M.; MEIRELLES, C. A. B.; PINTO-PORTO, C.; MOREIRA, T.; HOFFMANN, L. M. A. Metodologias Ativas de Ensino-Aprendizagem na formação do profissional de saúde: debates atuais. Ciência e Saúde Coletiva, v. 13, p. 2133-2144, 2008.

REEVE, J. Why teachers adopt a controlling motivating style toward students and how they can become more autonomy supportive. Educational Psychologist, Hillsdale, v. 44, n. 3, p. 159-175, 2009.

REIGOTA, M. A educação ambiental como educação política. In: O que é educação ambiental? 1. ed. São Paulo: Brasiliense, 2017. p. 7-13. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2017.

SILVA, L. E. Paulo Freire e Milton Santos: um encontro em favor da cidadania e da solidariedade. Revista E-Curriculum, São Paulo, v. 3, n. 2, 2008. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2016.

SILVA, M. E.; CORRÊA, A. P. M.; AGUIAR, E. C. Consumo e Sustentabilidade: a perspectiva educacional para o consumo consciente. In: Encontro Regional de Tecnologia e Negócios (ERTEN), 2., 2010, Serra Talhada. Anais... Serra Talhada: UFRPE, 2010.

VIEL, R. C.V. A Educação Ambiental no Brasil: O que cabe à escola? Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, v. 21, p. 201-216, 2008. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2016.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

WELLINGS, P. School learning & life learning: the interaction of spontaneous and scientific concepts in the development of higher mental processes. Stanford: Stanford University, 2003. Disponível em: . Acesso em 29 de jun. de 2016.




DOI: https://doi.org/10.19141/2526-169X.actascientiae.v2.n2.p9-31

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Acta Scientiae Biological Research

ACS, Engenheiro Coelho, São Paulo, Brasil. ISSN: 2526-169X.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia