INTEGRALIDADE NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
PDF

Palavras-chave

Políticas públicas
Saúde
Integralidade em saúde

Como Citar

Honorato, L., Santos, T. S., Abdala, G., Tavares, C. Z., & Meira, M. D. (2019). INTEGRALIDADE NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE. Life Style, 6(1), 7-15. https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v6.n1.p7-15

Resumo

Introdução: a integralidade, enquanto princípio do Sistema Único de Saúde, indica atributos desejáveis aos preceitos da saúde e ao aperfeiçoamento das técnicas que são desempenhadas. Objetivo: refletir criticamente, em uma perspectiva histórica, sobre a integralidade nas Políticas Públicas de Saúde no Brasil e sua aplicação na prática assistencial. Método: ensaio reflexivo, fundamentado em revisão narrativa, sobre o contexto histórico no qual a integralidade se insere e os desafios a serem superados para que ela se estabeleça nas práticas assistenciais. Resultados: o texto abrange um breve histórico das Políticas Públicas de Saúde no que diz respeito à integralidade e como ela se aplica nas práticas de saúde. Conclusão: a integralidade na atenção à saúde no contexto do Sistema Único de Saúde brasileiro está em pleno desenvolvimento e requer constantes reflexões quanto as aproximações a serem realizadas no sentido prático, pois a cada dia, os atores envolvidos nesse processo se apropriam da necessidade de concretizar este princípio.

https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v6.n1.p7-15
PDF

Referências

AYRES, J. R. C. M. Organização das ações de atenção à saúde: modelos e práticas. Saúde Soc, v. 18, n. 2, p. 11-23, 2009.

BARROSO, L. R. Da falta de efetividade à judicialização excessiva: Direito à saúde, fornecimento gratuito de medicamentos e parâmetros para a atuação judicial. Revista de Direito Social, v. 34, n. 11, 2009.

BEHRING, E. R.; BOSCHETII, I. Política Social: Fundamentos e história. São Paulo: Cortez, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção da Saúde. As Cartas da Promoção da Saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Projeto Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. Disponível em: <https://bit.ly/22uqOY4>. Acesso em: 30 mai. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria 648, de 28 de Março de 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família (PSF) e o Programa Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasilia, DF: Ministério da Saúde. 2006. Disponível em: <https://bit.ly/2rLwuSz>. Acesso em: 23 ago. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde: PNPS. Revisão da portaria MS/GM nº 687, 30 de março de 2006. Brasília, DF: Ministério da Saúde. 2015, Disponível em: <https://bit.ly/2wGfLR3>. Acesso em: 07 dez. 2018.

BRASIL. Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para assuntos jurídicos. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasilia, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: <https://bit.ly/1FieR0R>. Acesso em: 04 out. 2017.

BRASIL. Presidência da República, Casa Civil, Sub chefia para assuntos jurídicos. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Brasilia, DF: 1990. Disponível em: <https://bit.ly/1UVpr2U>. Acesso em: 04 mai. 2017.

CASTILHO, C. N.; CARDOSO, P. T. Espiritualidade, religiosidade e religião nas políticas públicas de saúde: um olhar para a integralidade. REFACS (online), v. 3, n. 1, p. 28-39, 2015. Disponível em: <https://bit.ly/2QIml5n>. Acesso em: 03 mai. 2019.

COLIMOIDE, F. P.; MEIRA, M. D. D.; ABDALA, G. A.; OLIVEIRA, S. L. S. S. Integralidade na perspectiva de enfermeiros da Estratégia Saúde da Família. Revista Bioética, v. 25, n. 3, p. 611-617, 2017. Disponível em: <https://bit.ly/2YRwxuW>. Acesso em: 04 out. 2018.

DOMINGUEZ, B. Um tema, múltiplos sentidos qualidade, bom cuidado, direito: relator-geral e documento da 15ª Conferência Nacional de Saúde orientam debate. 2015. Disponível em: <https://bit.ly/2HN6lw4>. Acesso em: 02 out. 2017.

FRANCO, T. B.; BUENO, W. S.; MERHY, E. E. O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: Betim, Minas Gerais, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 2, n. 15, p. 345-353, 1999.

KALICHMAN, A. O.; AYRES, J. R. C. M. Integralidade e tecnologias de Atenção à Saúde: uma narrativa sobre contribuições conceituais à construção do princípio da integralidade no SUS. Cad. Saúde Pública, v. 32, n. 8, e00183415, 2016. Disponível em: <https://bit.ly/2JOEEoy>. Acesso em: 30 mai. 2019.

LEITE, C. A crise da previdência social. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

MARQUES, L. S. A saúde pública e o Direito Constitucional brasileiro. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, v. XI, n. 59, nov. 2008. Disponível em: <https://bit.ly/2Kb3fn7>. Acesso em: 04 out. 2017.

MALTA, D. C.; CECILIO, L. C. O.; MERHY, E. E.; FRANCO, T. B.; JORGE, A. O.; COSTA, M. A. Perspectivas da regulação na saúde suplementar diante dos modelos assistenciais. Cienc. Saúde Coletiva. v. 9, n. 2, p. 433-444, 2004.

MATTOS, R. A. Os sentidos da integralidade: algumas reflexões acerca de valores que merecem ser defendidos. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Orgs.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: UERJ, IMS: ABRASCO, 2009. p. 43-68. Disponível em: <https://bit.ly/2XjUyKQ>. Acesso em: 04 out. 2017.

MERHY, E. E. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do trabalho vivo em saúde. In: MERHY, E. E.; ONOCKO, R. (Orgs.). Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec, 1997.

MERHY, E. E. Em busca da qualidade dos serviços de saúde: os serviços de porta aberta para a saúde e o modelo tecno-assistencial em defesa da vida. In: CECÍLIO L. C. (Org.). Inventando a mudança na saúde. São Paulo: Hucitec, 2004.

MOROSINI, M. V. G. C.; FONSECA, A. F.; LIMA, L. D. Política Nacional de Atenção Básica 2017: retrocessos e riscos para o Sistema Único de Saúde. Saúde Debate. v. 42, n. 116, p. 11-24, 2018.

MOTA, A. E. S. Seguridade Social Brasileira: desenvolvimento histórico e tendências Recentes. In: MOTA, A. E. S.; GOMES, L.; BRAVO, M. I. S.; TEIXEIRA, M.; MARSIGLIA, R. M. G.; UCHOA, R. (Orgs.). Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. São Paulo: Cortez, 2007. p. 40-48.

NUNES, L. C. Intersetorialidade, atenção primária e formação em saúde. Rev. APS. v. 19, n. 2, p. 180, 2016.

PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. Construção da integralidade: cotidiano, saberes e práticas em saúde. Rio de Janeiro: UERJ/IMS: ABRASCO; 2003.

POLIGNANO, M. V. História das políticas de saúde no Brasil: uma pequena revisão, [s. d.]. Disponível em: <https://bit.ly/2QIy4Rr>. Acesso em: 21 out. 2013.

RODRIGUES, T. F.; BRANDALISE, C. L.; SOUZA, R. N. M.; MORIYAMA, I. Processos de trabalho na Atenção Basica. In: UCHÔA-FIGUEIREDO, L. R.; RODRIGUES, T. F.; DIAS, I. M. A. V. (Orgs.). Percursos interprofissionais: formação em serviços no Programa Residência Multiprofissional em Atenção à Saúde. 1. ed. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2016.

SARRETA, F. O. Educação permanente em saúde para os trabalhadores do SUS. São Paulo: Editora Unesp; Cultura Acadêmica, 2009. Disponível em: <https://bit.ly/2XbOAeW>. Acesso em: 29 set. 2016.

SENS, G. R. Estilo de vida, religiosidade e a prática médica: dilemas e desafios. São Paulo, 2016. Dissertação (Mestrado em Promoção da Saúde) – Programa de Mestrado em Promoção da Saúde, Centro Universitário Adventista de São Paulo, São Paulo, 2016.

SILVA, M. V. S.; MIRANDA, G. B. N.; ANDRADE, M. A. Diverse meanings of comprehensiveness: between the presupposed and the experienced in a multi-disciplinary team. Interface (Botucatu), v. 21, n. 62, p. 589-599, 2017.

SOUZA, G. C. A.; COSTA, I. C. C. O SUS nos seus 20 anos: reflexões num contexto de mudanças. Saúde Soc. São Paulo, v. 19, n. 3, p. 509-517, 2010.

TEIXEIRA, E. C. O papel das políticas públicas no desenvolvimento local e na transformação da realidade. AATR, Bahia, 2002. Disponível em: <https://bit.ly/30TXv75>. Acesso em: 30 mai. 2019.

WRUCK, J. Representação dos profissionais de saúde de um núcleo de apoio à saúde da família quanto à assistência espiritual para integralidade da atenção à saúde. São Paulo, 2016. Dissertação (Mestrado em Promoção da Saúde) – Programa de Mestrado em Promoção da Saúde, Centro Universitário Adventista de São Paulo, São Paulo, 2016.

Copyright (c) 2019 Life Style

Downloads

Não há dados estatísticos.