ANÁLISE COMPARATIVA DO TEOR DE SÓDIO PRESENTE EM QUEIJOS TIPO PETIT SUISSE COM OS REQUERIMENTOS PARA CONSUMO DIÁRIO
pdf

Palavras-chave

consumo
sódio
ingestão diária

Como Citar

Weber, M., Ferreira, J., Serafim, L., & Santos, T. (2020). ANÁLISE COMPARATIVA DO TEOR DE SÓDIO PRESENTE EM QUEIJOS TIPO PETIT SUISSE COM OS REQUERIMENTOS PARA CONSUMO DIÁRIO. Life Style, 7(1), 7-14. https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v7.n1.p7-14

Resumo

O consumo de queijo tipo petit suisse diariamente já foi identificado em crianças de até 3 anos em vários estudos, com consumo de uma a 3 unidades diárias. Este tipo de produto integra a categoria de alimentos ultraprocessados, cujo consumo frequente pode comprometer a saúde da criança, causando desordens nutricionais que podem estender-se até a idade adulta. O objetivo deste estudo foi analisar o teor de sódio presente em queijos tipo petit suisse e compará-lo com recomendações para consumo diário em crianças de 1 a 3 anos de idade. Foram analisadas 10 marcas de queijo tipo petit suisse presentes em estabelecimentos da região central de São Paulo/SP.Foram considerados os teores de sódio apresentados nos rótulos, e comparados, por porção original do produto e porção padronizada de 40g, com a recomendação para consumo diário, considerando ingestão adequada (AI) e nível de ingestão máximo tolerável (UL) para 1 a 3 anos de idade. O teor de sódio apresentou variabilidade classificada como muito alta nos produtos no conteúdo total da embalagem e na porção padronizada, e não excedeu as recomendações de AI e UL. As marcas de queijo tipo petit suisse analisadas apresentaram elevada variabilidade no teor de sódio. Embora o sódio observado não tenha ultrapassado a UL para a faixa etária, é relevante considerar que a marca do produto escolhida, associada à quantidade consumida e aos demais alimentos da dieta, determinará o teor de sódio ingerido diariamente e são fatores relevantes na escolha alimentar.

https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v7.n1.p7-14
pdf

Referências

ANVISA. Anvisa quer mudanças na rotulagem nutricional de alimentos. Brasília, 2018. Disponível em: <https://bit.ly/33iY661>. Acesso em: 03 ago. 2020.

BASTOS, L. P. H.; GOMES, A. L. L.; CALDAS, L. G. A. Estimativa do consumo de leite e produtos afins por crianças em instituição filantrópica da cidade do Rio de Janeiro. Revista Higiene Alimentar, v. 30, n. 262/263, nov./dez. 2016.

BRASIL. Agência Nacional De Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução da Diretoria Colegiada - RDC nº 359, de 23 de dezembro de 2003. Regulamento Técnico De Porções De Alimentos Embalados Para Fins De Rotulagem Nutricional. Brasília, 2003. Disponível em: <https://bit.ly/31j4Rls>. Acesso em: 03 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Dez passos para uma alimentação saudável: Guia alimentar para crianças menores de dois anos. Brasília, 2015. Disponível em: <https://bit.ly/3fxrfNn>. Acesso em: 03 ago. 2020.

COSTA, F. P.; MACHADO, S. H. O consumo de sal e alimentos ricos em sódio pode influenciar na pressão arterial das crianças? Ciência Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, RJ, v. 15, sup. 1, 2010.

FERREIRA, J. S.; AYDOS, R. D. Prevalência de hipertensão arterial em crianças e adolescentes obesos. Ciência Saúde Coletiva, v. 15, n. 1, p. 97-104, 2010.

FERREIRA, J. S. G.; MORAES, O. M. G.; SILVA, Y.; TANCREDINI, R. P. Marketing de alimentos industrializados destinados ao público infantil na perspectiva da rotulagem. Visa em Debate, v. 2, n. 2, p. 75-84, 2015.

HEITOR, S. F. D.; RODRIGUES, L. R.; SANTIAGO, L. B. Introdução de alimentos supérfluos no primeiro ano de vida e as repercussões nutricionais. Ciência, Cuidado e Saúde, v. 10, n. 3, p. 430-436, jul./set., 2011.

INSTITUTE OF MEDICINE (IOM). Dietary reference intakes for water, Potassium, Sodium, Chloride, and Sulfate. Washington: The National Academies Press; 2004.

LONGO-SILVA, G.; TOLONI, M. H. A.; MENEZES, R. C. E.; ASAKURA, L.; OLIVEIRA, M. A. A.; TADDEI, J. A. A. C. Alimentos ultraprocessados: consumo entre crianças em creches públicas e análise da composição nutricional segundo a ferramenta "Traffic Light Labelling". Revista de Nutrição, Campinas, SP, v. 25, n. 5, p. 543-553, set./out., 2015.

LONGO-SILVA, G.; TOLONI, M. H. A.; TADDEI, J. A. A. C. Traffic light labelling: traduzindo a rotulagem de alimentos. Revista de Nutrição, Campinas, SP, v. 23, n. 6, p. 1031-1040, nov./dez., 2010.

MELLO, A. V.; ABREU, E. S.; SPINELLI, M. G. N. Avaliação de rótulos de alimentos destinados ao público infantil de acordo com as regulamentações da legislação brasileira. Journal of the Health Sciences Institute, v. 33, n. 4, p. 351-359, 2015.

PIMENTEL, G. F. Curso de estatística experimental. 11. ed. São Paulo: Nobel; 1985.

SALGADO, C. M.; CARVALHAES, J. T. A. Hipertensão arterial na infância. Jornal de Pediatria, v. 79, sup. 1, p. 115-124, 2003.

SPINELLI, M. G. N.; SOUZA, S. B.; SOUZA, J. M. P. Consumo, por crianças menores de um ano de idade, de alimentos industrializados considerados supérfluos. Revista Pediatria Moderna, v. 37, n. 12, p. 666-672, 2001.

TAVARES, B. M.; VEIGA, G. V.; YUYAMA, L. K. O.; BUENO, M. B.; FISBERG, R. M.; FISBERG, M. Estado nutricional e consumo de energia e nutrientes de pré-escolares que frequentam creches no município de Manaus, Amazonas: existem diferenças entre creches públicas e privadas? Revista Paulista de Pediatria, São Paulo, SP, v. 30, n. 1, p. 42-50, 2012.

TOLONI, M. H. A.; LONGO-SILVA, G.; KONSTANTYNER, T.; TADDEI, J. A. A. C. Consumo de alimentos industrializados por lactentes matriculados em creches. Revista Paulista de Pediatria, v. 32, n. 1, p. 37-43, 2014.

Copyright (c) 2020 Life Style

Downloads

Não há dados estatísticos.