IMPACTO DE UM PROGRAMA DE INTERVENÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS E IDOSOS, COM HIPERTENSÃO ARTERIAL E/OU DIABETES MELLITUS
PDF

Palavras-chave

Idosos
Estado nutricional
Comportamento alimentar

Como Citar

Miotto, T., Oliveira, R., Santos, R., Bracco, M., & Murino, G. (2020). IMPACTO DE UM PROGRAMA DE INTERVENÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS E IDOSOS, COM HIPERTENSÃO ARTERIAL E/OU DIABETES MELLITUS. Life Style, 6(2), 39-50. https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v6.n2.p39-50

Resumo

Introdução - Um dos principais causadores de obesidade e adoecimento da população é o desconhecimento dos bons hábitos nutricionais ou a não aderência a eles. Objetivo: Avaliar a efetividade de um programa de educação nutricional sobre o conhecimento de pacientes hipertensos e/ou diabéticos. Métodos: Estudo prospectivo, com amostra de 36 indivíduos, adultos e idosos de ambos os sexos, divididos igualmente em dois grupos (com e sem exposição à intervenção da nutricionista no programa de alimentação saudável). Os pacientes foram comparados quanto ao conhecimento nutricional por meio de questionários validados além de dados sociodemográficos e antropométricos. Resultados: O grupo com intervenção foi composto por (n=18) e o sem intervenção por (n=18). Em relação ao estado nutricional avaliado pelo IMC, 27,8% (n=10) apresentavam sobrepeso e 47,2% obesidade (n=17). O resultado do conhecimento nutricional da amostra total foi 52,8% moderado e 38,9% alto apesar de a maioria não ter concluído o ensino fundamental. Em relação ao IMC, destaca-se que os pacientes com sobrepeso e obesidade mostraram conhecimento nutricional de moderado a alto (sobrepeso com conhecimento nutricional moderado 70% e obesidade com conhecimento nutricional alto, 64.7%). Conclusão: Concluímos que os pacientes com diagnóstico de hipertensão e diabetes mellitus apresentaram moderado e alto conhecimento nutricional tendo o grau de escolaridade como fator principal na pontuação do Questionário de Conhecimento Nutricional. Contudo, este conhecimento não refletiu em modificações no comportamento alimentar.

https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v6.n2.p39-50
PDF

Referências

ALENCAR, B.; TORAL, N.; RECINE, E. RIZZOLO, A. Factors related to food involvement in the adult population. In: Revista de Nutrição, Campinas, v. 29, n. 3, p. 337-345, Jun 2016. Disponível em: <http://bit.ly/36OBLf5>. Acesso em: 19 dez 2019.

ALMIRON-ROIG, E.; PASTOR, M. A.; MARTÍNEZ, J. A.; DREWNOWSKI, A. A neural basis for food foraging in obesity. In: The Behavioral and Brain Sciences, v. 42, n. 37, jan 2019 Disponível em: <http://bit.ly/2rUfLAN>. Acesso em: 19 de abril de 2019

AMARAL, M. N.; SILVA, M. E. K. Atuação do nutricionista no Núcleo de Apoio à Saúde da Família: ​desafios da interdisciplinaridade no cuidado à saúde. In: Trabalho & Educação, v. 24, n. 2, p. 143-155, 2016. Disponível em: <http://bit.ly/2sISFNl>. Acesso dia 19 dez 2019.

AXELSON, M.; BRINBERG, D. The measurement and conceptualization of nutrition knowledge. In: Journal of Nutrition Education, v. 24, n. 5, p. 239-246, 1992. Disponível em: <http://bit.ly/2M9qhdZ>. Acesso em 19 dez 2019.

BRASIL. ​Lei n.º 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências, com alterações. Brasília, 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. Brasília, 2006.

BRASIL. ​Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Diretrizes do NASF: Núcleo de Apoio a Saúde da Família / ​Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022​. Brasília, 2011a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS)​. Brasília, 2011b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.124, de 28 de dezembro de 2012: redefine os parâmetros de vinculação dos Núcleos de Apoio a Saúde da Família (NASF) modalidades 1 e 2 às Equipes de Saúde da Família e/ou Equipes de Atenção Básica para populações específicas, cria a modalidade NASF 3 e dá outras providências. ​Brasília, 2012

BRASIL - Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. Brasília, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Núcleo de Apoio à Saúde da Família / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília, 2014a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed.- Brasília, 2014b.

BRASIL. Ministério da Saúde - ​Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2013. ​Brasília, 2017.

BRASIL. ​ Ministério da Saúde - Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. Estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2017. ​Brasília, 2018a.

BRASIL – Ministério da Saúde. Relatório do III Fórum de monitoramento do plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis no Brasil. Brasília, 2013, publicação em 2018b.

BRAVO, A. M; MARTIN, N. U; GONZALEZ, A. G. Evaluación de los hábitos alimentarios de una población de estudiantes universitarios en relación con sus conocimientos nutricionales. Nutr. Hosp., Madrid, v. 21, n. 4, p. 466-473, ago 2006. Disponível em: <http://bit.ly/36RrT47>. Acesso em 19 dez 2019.

BROGNOLLI, J. S.; CERETTA, L. B; SORATTO, J.; TOMASI, C. D.; RIBEIRO, R. S. V. Relação entre estado nutricional e conhecimento sobre alimentação adequada e saudável de escolares. Revista Brasileira de Qualidade de Vida, Ponta Grossa, v.10, n. 2, abr/jun 2018. Disponível em: <http://bit.ly/390d7Kv>. Acesso em 19 dez 2019.

CALAFIERO, E.T.; JANÉ-LLOPIS, E. The Global Economic Burden of Noncommunicable diseases. In: World Ecomnomic Forum, Londres, p. 1-48 set 2011. Disponível em: <http://bit.ly/2s7mE1p>. Acesso em 20 dez 2019

CAVALCANTI, A. D.; CORDEIRO, J. C. As ações intersetoriais na Estratégia de Saúde da Família: ​um estudo da representação do conceito de saúde e de suas práticas na Atenção Básica. In: Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, v. 10, n. 37, p. 1-9, 2015. Disponível em: <http://bit.ly/2sJIEzw>. Acesso em: 20 dez 2019.

DUNCAN, B. B. et al. Doenças Crônicas não transmissíveis no Brasil. In: Revista de Saúde Pública, v. 46, p 126 -134, São Paulo, 2012.

FALKENBERG, M. B.; MENDES, T. P. L.; MORAES, E. P.; SOUZA, E. M. Educação em saúde e educação na saúde: conceitos e implicações para a saúde coletiva. Ciência & saúde coletiva, v. 19, n. 3, p. 847-52, mar 2014. Disponível em: <http://bit.ly/2Z74hGd>. Acesso em 20 dez 2019.

FONTANIVE R., PAULA T. P., PERES W. Avaliação da Composição Corporal de Adultos. ​In: Duarte ACG. Avaliação Nutricional: Aspectos Clínicos e Laboratoriais. 1° ed. São Paulo: Editora Atheneu; 2007. p. 40-63.

GOULART, F. A. A. Doenças crônicas não transmissíveis: estratégias de controle e desafios e para os Sistemas de Saúde. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde e Ministério de Saúde, 2011. Disponível em: <http://bit.ly/2EBXQRV>. Acesso em: 20 dez 2019.

IBGE - Instituto Brasileiro De Geografia E Estatística. Pesquisa Nacional de Saúde 2013: percepção do estado de saúde, estilos de vida e doenças crônicas: Brasil, grandes regiões e unidades da federação. Rio de Janeiro: IBGE, 2014. Disponívem em: <http://bit.ly/38Uqnjv>. Acesso em 20 dez 2019.

IDH: Os 20 melhores e os 20 piores distritos de São Paulo. O Estado de São Paulo. São Paulo, 25/04/2016. Disponível em: <http://bit.ly/2PGpovT>. Acesso em 18 jun. 2019.

LINHARES, S.; HICKMANN, F.; ROSA, C.; FERNANDES, G.; MUSSOI, T. D.; BLÜMKE, A. C. Implementação de protocolos para DCNT: diabetes mellitus e hipertensão. In: Disciplinarum Scientia, v. 15, n. 2, p. 231-237, 2014. Disponível em: <http://bit.ly/2S8VYYV>. Acesso em: 20 dez 2019.

OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Obesidade: prevenindo e controlando a epidemia global. Relatório da Consultadoria da OMS. Genebra, 2004.

ONU - ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Nações Unidas no Brasil. FAO alerta para obesidade na América Latina e Caribe. Disponível em: <http://bit.ly/35I8WAQ> 7 mar. 2018.

ONU - ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. General Assembly. Resolution adopted by the General Assembly on 1 April 2016, 70/259. United Nations Decade of Action on Nutrition (2016–2025). 15 abr. 2016

PRATES, R.E.; SILVA, A.C.P. Avaliação do conhecimento nutricional e de hábitos alimentares de pacientes com doenças crônicas não transmissíveis em hospital particular no sul do Brasil. In: Revista da Associação Brasileira de Nutrição, Ano 5, n. 1, p. 21-27, Jan-Jun, 2013. Disponível em: <http://bit.ly/2EDObu5>. Acesso em: 20 dez 2019.

RUBIN, B. A.; STEIN, A. T.; ZELMANOWICZ, A. M.; ROSA, D. D. Perfil antropométrico e conhecimento nutricional de mulheres sobreviventes de câncer de mama do sul do Brasil. Revista Brasileira de Cancerologia, v. 56, n. 3, p. 303-309, 2010. Disponível em: <http://bit.ly/2tCLoPG>. Acesso em 20 dez 2019.

SÃO PAULO. Secretaria Estadual de Saúde. Doenças crônicas não-transmissíveis e agravos. Governo do Estado de São Paulo. Divisão de Doenças Crônicas não Transmissíveis, 2015.

SÃO PAULO. Secretaria Municipal de Saúde. Indicadores de Saúde da Cidade de São Paulo. Prefeitura Municipal de São Paulo. Setor de Epidemiologia e Informação, 2019. Disponível em: <http://bit.ly/35IbqiE> Acesso em: 02 de maio de 2019.

SARTORELLI, D.S. SCIARRA, C. E.; FRANCO, L. J.; CARDOSO, M. A. Beneficial effects of short term nutritional conselling at the primary health-care level among Brasilian adults. In: Public Health Nutrition, v. 8, n. 7, p. 820-825, 2004. Disponível em: <http://bit.ly/2ZgkYPy>. Acesso em 20 dez 2019.

SCAGLIUSI, F. B.; POLACOW, V. O.; CORDÁS, T. A.; COELHO, D.; ALVARENGA, M.; PHILIPPI, S. T.; LANCHA JÚNIOR, A. H. Tradução, adaptação e avaliação psicométrica da Escala de Conhecimento Nutricional do National Health Interview Survey Cancer Epidemiology. In: Revista de Nutrição, v. 19, n. 4, p. 425-436, 2006. Disponível em <http://bit.ly/34FoG6q>. Acesso em 20 dez 2019.

SCHMIDT, M. I.; DUNCAN, B. B, AZEVEDO E SILVA, G.; MENEZES, A. M; MONTEIRO C. A.; BARRETO, S. M.; CHOR, D.; MENEZES P. R. Chronic non-communicable diseases in Brazil: burden and current challenges. In: Lancet. v. 377, n. 9781, p. 1949-1961, 2011.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES – SBD. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes.​ Disponível em: <http://bit.ly/38ZIEfi> Acesso em: 26 de novembro de 2018

SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO - SBH. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Hipertensão. Disponível em: <http://bit.ly/2MeSkZU>. Acesso em: 26 de novembro de 2018

SOUZA, M. M. Avaliação de programas sociais: um estudo sobre os efeitos de um programa de educação alimentar visando à melhoria de hábitos alimentares. Tese (Doutorado em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações) - Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

WHO – WORLD HEALTH ORGANIZATION. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO Consultation. World Health Organization Technical Report Series, 2000.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global Recommendations on Physical Activity for Health. Geneva, 2010.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. From burden to “best buys”: reducing the economic impact of non-communicable diseases in low- and middle-income countries: executive summary 2011. Geneva, 2011a.

WHO – WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global status report on noncommunicable diseases 2010. Geneva, 2011b.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. World health statistics 2012. Geneva, 2012.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. Global status report on noncommunicable disease 2014. Geneva, 2014.

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. Brazil first country to make specific commitments in UN Decade of Action on Nutrition. 22 maio 2017

Copyright (c) 2020 Life Style

Downloads

Não há dados estatísticos.