ESTRESSE, TRANSTORNOS MENTAIS NÃO-PSICÓTICOS E EXPECTATIVA DE VIDA EM ALUNOS DE CURSOS SUPERIORES NOTURNOS
PDF

Palavras-chave

Estresse
Transtornos mentais não psicóticos
Expectativa de vida
Idade biológica
Universitários

Como Citar

Ninahuaman, S., Andrade, V. C., Ninahuaman, M. F., Silva, I., Monteiro, M., & Abdala, G. (2020). ESTRESSE, TRANSTORNOS MENTAIS NÃO-PSICÓTICOS E EXPECTATIVA DE VIDA EM ALUNOS DE CURSOS SUPERIORES NOTURNOS. Life Style, 6(2), 60-72. https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v6.n2.p60-72

Resumo

O estresse é uma reação natural que equilibra o funcionamento do corpo humano. Quando experimentado além do limite, provoca exaustão física e emocional, que podem estar associadas aos transtornos mentais não-psicóticos e diminuir a expectativa de vida. Este foi um estudo transversal e quantitativo que investigou a relação entre o estresse, os transtornos mentais não-psicóticos e a expectativa de vida, como uma relação entre a idade cronológica e biológica, de 45 universitários, com idades entre 18 e 55 anos, de seis cursos noturnos de um centro universitário da zona sul de São Paulo. Utilizou-se o Inventário de Sintomas de Stress para adultos de Lipp, o Self Reporting Questionnaire e o Teste de Idade Biológica. Os resultados mostraram que 64% dos participantes apresentaram estresse. Na fase de resistência, a prevalência foi de 72%, na de quase exaustão, 24%, a maioria (93%), com sintomas psicológicos. Quanto ao teste para transtornos mentais não-psicóticos, a prevalência foi de 42% com sintomas positivos. A expectativa de vida estava boa para 67% dos universitários.

https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v6.n2.p60-72
PDF

Referências

APPEL-SILVA, Marli; BIEHL, Kátia. Trabalho na pós-modernidade: crenças e concepções. Revista Mal-Estar Subjetividade, Fortaleza, v. 6, n. 2, p. 518-534, set., 2006. Disponível em <https://bit.ly/2s2Q9kW>. Acesso em: 18 dez. 2019.

ASSIS, C. L. de; SILVA, A. P. F.; LOPES, M. de S.; SILVA, P. da C. B.; SANTINI, T. de O. Sintomas de estresse em concluintes do curso de psicologia de uma universidade privada do norte do País. Mudanças: psicologia da saúde, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 23-28, janeiro-junho, 2013.

BALLONE, Geraldo José; MOURA, Erly Catarina de. Estresse-Introdução. 2008. Disponível em: Acesso em 24 de set. de 2012.

BELLOC, Nedra B.; BRESLOW, Lester. Relationship of physical health status and health practices. Preventive medicine, v. 1, n. 3, p. 409-421, 1972. Disponível em: <https://bit.ly/2PZJJLn>. Acesso em 15 ago. de 2019.

BERKMAN, L. F.; BRESLOW, L. Health and ways of living: the Alameda County study. New York: Oxford University Press, 1983.

BORIM, Flávia S. A.; BARROS, Marilisa B. A.; BOTEGA, Neury J. Transtorno mental comum na população idosa: pesquisa de base populacional no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, RJ, v. 29, n. 7, p. 1415-1426, julho de 2013. Disponível em: < https://bit.ly/38VvujJ >. Acesso em 15 ago. de 2019.

BRASIL. Resolução nº. 466, 12 de dezembro de 2012. Plenário do Conselho Nacional de Saúde. Define os termos dos aspectos éticos da pesquisa envolvendo seres humanos, 2012. Biblioteca Virtual em Saúde. Disponível em: < https://bit.ly/36Q1Rhw> Acessado em 15 ago. de 2019.

CARTA de Ottawa. Primeira conferência internacional sobre promoção da saúde. Ottawa, Canadá, 1986.

GONÇAVES, J. S.; SILVA, L. L.; NINHUAMAN, M. F. M. L.; ABDALA, G. A.; LIMA, M. O. P. Perfil de Risco Cardiovascular em Estudantes Universitários. Life Style Journal, v. 5, n. 2. p. 91-108, 2018.

GONÇALVES, J. S.; SILVA, L. L.; MEIRA, M. D. D.; ABDALA, G. A.; SANTOS, A. C. M.; SILVA, M. F. F. Religiosidade e os transtornos mentais comuns em adultos. Rev. enferm. UFPE, v. 11, n. 4 (ed. Suplementar), p. 1708-1715, 2017.

LAMEU, Joelma N.; SALAZAR, Thiene L.; SOUZA, Wanderson F. Prevalência de sintomas de stress entre graduandos de uma universidade pública. Psicologia da Educação, São Paulo, n. 42, p. 13-22, jun. 2016. Disponível em: <https://bit.ly/34zaPhZ>. Acessado em: 18 dez. 2019.

LIPP, M. E. N.; GUEVARA A. J. H. Validação Empírica do Inventário de Sintomas de Stress. Estudos de Psicologia, Campinas, SP, v. 11, n. 3, p. 43-9, 1994.

LIPP, Marilda E. N. Manual do inventário de sintomas de stress para adultos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000.

LIPP, M. E. N. (Org.). O stress no Brasil: pesquisas avançadas. Campinas, SP: Papirus, 2004.

LOURES, Débora Lopes et al. Estresse Mental e Sistema Cardiovascular. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, São Paulo, v. 78, n. 5, p. 525-530, maio 2002. Disponível em: <https://bit.ly/36OdcyG>. Acesso em: 18 dez. 2019.

MARI, J. J.; WILLIAMS, P. A validity study of a psychiatric screening questionnaire (SRQ-20) in primary care in the city of São Paulo. British Journal of Psychiatry, Londres, v. 148, n. 1. p. 23-26, 1986.

MILSTED, J. G.; AMORIM, C.; SANTOS, M. Nível de estresse em alunos de psicologia do período noturno. In: Congresso Nacional de Educação, 9., 2009, Curitiba, PR. Anais... Curitiba: PUC Paraná, 2009. p. 10647-10658. Disponível em: <https://bit.ly/2PCdnYt>. Acesso em: 11 jun. 2012.

MONDARDO, Anelise H.; PEDON, Elisangela A. Estresse e desempenho acadêmico em estudantes universitários. Revista de Ciências Humanas, v. 6, n. 6, p. 159-180, 2005. Disponível em: <https://bit.ly/2Q2QVX8>. Acesso em: 18 dez. 2019.

MORETTI, Felipe A.; HUBNER, Maria M. C. O estresse e a máquina de moer alunos do ensino superior: vamos repensar nossa política educacional? Revista Psicopedagogia, São Paulo, v. 34, n. 105, p. 258-267, 2017. Disponível em <https://bit.ly/38Q3Owh>. Acesso em: 18 dez. 2019.

NOGUCHI, Yukari et al. Relationship between perceived health status and health practices in the general adult population in Japan. Open Journal of Preventive Medicine, v. 5, n. 06, p. 280-290, 2015.

ORGANIZAÇÃO Mundial da Saúde (OMS). Expert Committee on Mental Health: User’s Guide to Self-Reporting Questionnaire. Geneva, 1994.

PAPALIA, D. E; OLDS, S. W.; FELDMAN, R. D. Desenvolvimento Humano. 8. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

PRETO, Vivian Aline et al. Estresse e características sociodemográficas em universitários de enfermagem. Journal of Nursing UFPE/Revista de Enfermagem UFPE, v. 12, n. 3, 701-707, 2018.

ROCHA, Saulo Vasconcelos et al. Prevalência de transtornos mentais comuns entre residentes em áreas urbanas de Feira de Santana, Bahia. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 13, n. 4, p. 630-640, dez. 2010. Disponível em:<https://bit.ly/34wikpB>. Acesso em: 15 ago. 2019.

SANTOS, Christiane Athayde et al. Relação entre qualidade de vida, estresse e trabalho entre estudantes de fisioterapia. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, MG, v. 12, n. 1, p. 866-875, 2014. Disponível em:<https://bit.ly/2YZPJYV>. Acesso em: 18 dez. 2019.

SIQUEIRA, A. E. O. S. et al. Avaliação do nível de stress em acadêmicos dos cursos de Ciências Sociais e Pedagogia do turno noturno de uma instituição privada. In: Seminário Internacional de Representações Sociais, Subjetividade e Educação (SIRSSE), 4., 2017, Curitiba, PR. Anais... Curituba: PUC-Paraná, 2017. p. 17451-17464.

YOKOKAWA, Hirohide et al. Age-and sex-specific impact of health literacy on healthy lifestyle characteristics among Japanese residents in a rural community. Health, v. 7, n. 06, p. 679-688, 2015. Disponível em < https://bit.ly/35yBI6M>. Acesso em: 18 dez. 2019.

Copyright (c) 2020 Life Style

Downloads

Não há dados estatísticos.