TIPOS DE ALEITAMENTO ADOTADOS POR UM GRUPO DE MÃES DE CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS DE IDADE
PDF

Palavras-chave

Aleitamento materno
Fórmula infantil
Saúde

Como Citar

Bonfim, L., Croêlhas, B., & Zunta, R. (2019). TIPOS DE ALEITAMENTO ADOTADOS POR UM GRUPO DE MÃES DE CRIANÇAS DE 0 A 2 ANOS DE IDADE. Life Style, 6(1), 47-56. https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v6.n1.p47-56

Resumo

Introdução: As intensificações das ações de promoção, proteção e apoio ao aleitamento materno são importantes para evolução dos índices de aleitamento materno e redução das taxas de morbimortalidade infantil. Objetivo: Identificar tipos de aleitamento adotados pelas mães de crianças de 0 a 2 anos de idade atendidas em uma Unidade de Saúde da Família. Método: Pesquisa quantitativa, com 120 mães de crianças de até 2 anos cadastradas numa USF, através de entrevistas padronizadas, na espera pela consulta de pré-natal, puerpério, puericultura e sala de vacina. Resultados: O aleitamento mais adotado pelas mães de crianças de 0 a 2 anos foi o aleitamento materno, logo 97,6% delas receberam leite materno sendo 18,1% até o sexto mês. Além disso, 38,6% receberam aleitamento materno exclusivo até o sexto mês, 44,9% até o quarto e 18,1% das crianças de 0 a 2 anos estão recebendo. Referente às mães: 52,5% têm entre 25 e 35 anos, sendo que 18,3% nessa faixa oferecem aleitamento materno exclusivo, 45,8% têm renda familiar de um a dois salários mínimos, 84,2% receberam orientação sobre amamentação, 99,2% consideram o leite materno ideal para a alimentação infantil e 22% consideram o leite materno fraco ou insuficiente. Os motivos mais citados para um desmame precoce foram: mama secou, não tinha leite, leite não era suficiente e volta da mãe à escola ou trabalho. Conclusão: Os tipos de aleitamento adotados pelas mães entrevistadas foram: aleitamento materno (23,6%), aleitamento materno exclusivo (18,1%), aleitamento materno misto (7,9%), aleitamento materno complementado (7,1%) e aleitamento materno predominante (3,2%).

https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v6.n1.p47-56
PDF

Referências

BREIGEIRON, M. K.; MIRANDA, M. N.; SOUZA, A. O. W.; GERHARDT, L. M.; VALENTE, M. T.; WITKOWSKI, M. C. Associação entre estado nutricional, aleitamento materno exclusivo e tempo de internação hospitalar de crianças. Revista Gaúcha de Enfermagem. v. 36, p. 47-54, 2015. Disponível em: <https://bit.ly/2XDBHuj>. Acesso em: 11 jun. 2019.

CARVALHO, M. L. N.; CARVALHO, M. F.; SANTOS, C. R.; SANTOS, P. T. F. Primeira visita domiciliar puerperal: uma estratégia protetora do aleitamento materno exclusivo. ver. Paul. Pediatr., v.1, n. 36, p. 66-73, 2018.

CONTARATO, A. A. P. F.; ROCHA, E. D. M.; CZARNOBAY, S. A.; MASTROENI, S. S. B. S.; VEUGELERS, P. J.; MASTROENI, M. F. Efeito independente do tipo de aleitamento no risco de excesso de peso e obesidade em crianças entre 12-24 meses de idade. Cad. Saúde Pública, v. 32, n. 12, p. 1-11, 2016.

LOPES, W. C.; MARQUES, F. K. S.; OLIVEIRA, C. F.; RODRIGUES, J. A.; SILVEIRA, M. F.; CALDEIRA, A. P.; PINHO, L. Alimentação de crianças nos primeiros dois anos de vida. Rev. Paul. Pediatr., v. 36, n. 2, p. 164-170, 2018.

MACHADO, A. K. F.; ELERT, V. W.; PRETTO, A. D. B.; PASTORE, C. A. Intenção de amamentar e de introdução de alimentação complementar de puérperas de um Hospital-Escola do sul do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 19, n.7, p. 1.983-1989, 2014.

MACHADO, M. C. M.; ASSIS, K. F.; OLIVEIRA, F. C. C.; RIBEIRO, A. Q.; ARAÚJO, R. M. A.; CURY, A. F.; PRIORE, S. E.; FRANCESCHINI, S. C. C. Determinantes do abandono do aleitamento materno exclusivo: fatores psicossociais. Rev. Saúde Pública, v. 48 n. 6, 2014. Disponível em: <https://bit.ly/2WwOLQK>. Acesso em: 11 jun. 2019.

MARIANI NETO, C. (Ed.). Aleitamento materno: manual de orientação. São Paulo: Ponto, 2006. Disponível em: <https://bit.ly/2I8Cazy>. Acesso em: 11 jun. 2019.

MARTINS, C. B. G.; SANTOS, D. S.; LIMA, F. C. A.; GAÍVA, M. A. M. Introdução de alimentos para lactentes considerados de risco ao nascer. Epidemiol. Serv. Saúde, v. 23, n. 1, p. 82-87, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009. (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica, n. 23)

SOUZA, M. H. D. N.; SODRE, V. R. D.; FERREIRA DA SILVA, F. N. Prevalência e fatores associados à prática da amamentação de crianças que frequentam uma creche comunitária. Ciencia y Enfermería, v. 21, n. 1, p. 55-67, 2015.

OLIVEIRA, C. S.; IOCCA, F. A.; CARRIJO, M. L. R.; GARCIA, R. A. T. M. 0Amamentação e as intercorrências que contribuem para o desmame precoce. Rev. Gaúcha Enferm., v. 36, n. esp, p. 16-23, 2015.

ROCHA, L. F. A.; OLIVEIRA, Z. M.; TEIXEIRA, J. R. B.; MOREIRA, R. M.; DIAS, R. B. Significado nas apresentações de mulheres que engravidaram após os 35 anos de idade. Revista de Enfermagem (UFPE), v. 1, n. 8, p. 30-36, 2014. Disponível em: <https://bit.ly/2R8gdDF>. Acesso em: 11 jun. 2019.

ROCCI, E.; FERNANDES, R. A. Q. Dificuldades no aleitamento materno e influência no desmame precoce. Rev. Bras. Enferm., v. 67, n. 1, 2014. Disponível em: <https://bit.ly/2R4guqW>. Acesso em: 11 jun. 2019.

SOUSA, E. D. M.; SANTOS, M. P.; SANTOS, T. M. A.; ANDRADE, A. S. A. Prevalência de aleitamento materno em crianças de 0 a 12 meses e seus fatores condicionantes. In: INTERNATIONAL NURSING CONGRESS, 2017, Aracaju. Anais… Aracaju: Unit, 2017. Disponível em: <https://bit.ly/2X1VOoV>. Acesso em: 11 jun. 2019.

SILVA, C. M.; PELLEGRINELLI, A. L. R.; PEREIRA, S. C. L.; PASSOS, I. R.; SANTOS, L. C. Práticas educativas segundo os “Dez passos para o sucesso do aleitamento materno” em um banco de leite humano. Ciência & Saúde Coletiva. v. 22, n. 5, p. 1661-1671, 2017.

Copyright (c) 2019 Life Style

Downloads

Não há dados estatísticos.