INCIDÊNCIA DOS FUMANTES PASSIVOS NA REGIÃO DE SÃO PAULO
PDF

Palavras-chave

Tabagista passivo
Tabagismo em domicílio
Tabagismo no local de trabalho

Como Citar

Da Silva, B., Pôrto, E., Kümpel, C., & de Castro, A. (2019). INCIDÊNCIA DOS FUMANTES PASSIVOS NA REGIÃO DE SÃO PAULO. Life Style, 6(1), 24-30. https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v6.n1.p24-30

Resumo

Introdução: O tabagismo é considerado atualmente como um problema de saúde pública, sendo uma das maiores causas de mortes evitáveis. A nicotina tem efeito viciante, e pode desencadear diversar doenças como câncer, doenças cardiovasculares e pulmonares. Os tabagistas passivos também sofrem os efeitos nocivos, pois a fumaça do cigarro libera substâncias químicas que piora a qualidade do ar. Os fatores de risco estão associados à idade, ao sexo, a dados demográficos, à escolaridade e à cultura. Diversos programas e propagandas foram lançados com o intuito de reduzir o número desses indivíduos afetados, no entanto, os resultados, apesar de positivos, só terão maior eficácia a longo prazo. Objetivo: Avaliar por meio dos estudos Vigitel, no período entre 2009 e 2016, a prevalência do tabagismo passivo na cidade de São Paulo, em domicílio e no trabalho, com relação à idade, ao sexo e à escolaridade. Métodos: Este é um estudo quantitativo nominal. A pesquisa consistiu em analisar de forma agrupada os dados dos estudos Vigitel, entre os anos de 2009 a 2016, sobre os aspectos do tabagismo passivo na região de São Paulo.

https://doi.org/10.19141/2237-3756.lifestyle.v6.n1.p24-30
PDF

Referências

CAVALCANTE, T. M. O controle do tabagismo no Brasil: avanços e desafios. Revista Psiquiatria Clínica, Rio de Janeiro, v. 32, n. 5, out. 2005.

CHATIKIN, R.; CHATIKIN, J. M. Tabagismo e variação ponderal: a fisiopatologia e genética podem explicar esta associação? J. Bras. Pneumol., Porto Alegre, v. 33, n. 6, p. 712-719, 2007.

CUNHA, S. S. F. P.; SILVA, N. M.; ITO, L. C.; FROTA, F. B.; HERMETO, E. M. C. Análise de riscos à saúde de pacientes de grupos de tabagismo segundo a carga tabágica. Revista Baiana de Saúde Pública, Fortaleza, v. 40, n. 3, 2016.

DINIZ, C. A. P. M.; SANTANA, M. A.; ARÇARI, D. P.; THOMAZ, M. C. A. Os efeitos do tabagismo como fator de risco para doenças cardiovasculares. Saúde em Foco, v. 4, set. 2011. Disponível em: <https://bit.ly/2LzsgG6>. Acesso em: 10 jun. 2019.

GUERRA, F. M. R. M.; COSTA, C. K. F.; BERTOLINI, S. M. M. G.; MARCON, S. S.; PARRÉ, J. L. Consumo de tabaco entre universitários: uma revisão sistemática. Journal of Research Fundamental Care Online, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 558-565, 2017.

NUNES, S. O. B.; CASTRO, M. R. P.; CASTRO, M. S. A. Tabagismo, comorbidades e danos à saúde. In: NUNES, S. O. V.; CASTRO, M. R. P. (Orgs.). Tabagismo: Abordagem, prevenção e tratamento [online]. Londrina: EDUEL, 2011. p. 17-38. Disponível em: <https://bit.ly/2XBzoIl>. Acesso em: 10 jun. 2019.

PASSOS, V. M. A.; GIATTI, L.; BARRETO, S. M. Tabagismo passivo no Brasil: resultados da pesquisa especial do tabagismo, 2008. Ciência & Saúde Coletiva, Minas Gerais, v. 16, n. 9, p. 3.671-3.678, 2011.

PINTO, M. T.; RIVIERE, A. P.; BARDACH, A. Estimativa da carga do tabagismo no Brasil: mortalidade, morbidade e custos. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 31, n. 6, p. 1.283-1.297, jun. 2015.

PUPULIM, A. F.; SARRIS, A. B.; FERNANDES, L. G. R.; NAKAMURA, M. C.; CAMARGO, T. V.; PAULA, J. B. Mecanismos de dependência química no tabagismo: revisão de literatura. Ponta Grossa: Rev. Med UFPR, v. 2, n. 2, p. 74-78, 2015.

SILVA, T. A.; IVO, M. L.; FREITAS, S. L. F.; SALES, A. P. A.; CARVALHO, A. M. A. Prevalência do tabagismo e terapêutica da dependência de nicotina: uma revisão integrativa. Journal of Research Fundamental Care Online, Mato Grosso do Sul, v. 8, n. 4, p. 4.942-4.948, 2016.

Copyright (c) 2019 Life Style

Downloads

Não há dados estatísticos.